Gráfica e Editora Moura Ramos: livros, revistas, embalagens, sacolas, agendas e impressos em geral.: Satíra dos Simpsons sobre os primeiros 100 dias de Trump Google+

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Satíra dos Simpsons sobre os primeiros 100 dias de Trump




A família amarela mais famosa da televisão, "Os Simpsons", não esqueceu os primeiros 100 dias da Presidência de Donald Trump e divulgou hoje uma curta animação em que lança um olhar mordaz sobre o inquilino da Casa Branca.


Trump atinge no sábado (dia 29 de abril) o marco dos 100 dias, um período de tempo que é encarado como um barômetro da capacidade governativa de uma nova administração norte-americana.

A animação, divulgada via Internet, mostra Trump na sua cama na Casa Branca a vangloriar-se de alguns dos seus feitos nestes últimos 100 dias, como o seu desempenho na prática do golfe ou o aumento dos seus seguidores na rede social Twitter.

O vídeo, com uma duração de 01:36, também imagina a filha do Presidente, Ivanka, a assumir o lugar da juíza Ruth Bader Ginsburg no Supremo Tribunal dos Estados Unidos.

No início do vídeo, vê-se o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, morto com uma corda à volta do pescoço e um pequeno cartaz onde está escrito "Eu desisto". A conselheira presidencial Kellyanne Conway sai a correr do local e afirma: "Eu não vou substituí-lo".

"Os Simpsons" também mostram o genro de Trump, Jared Kushner, e o conselheiro Steve Bannon a estrangularem-se mutuamente.

A curta animação termina com o casal Marge e Homer Simpson a verem as notícias na televisão e com Marge a queixar-se que já ficou sem antidepressivos e que era suposto os comprimidos durarem os quatro anos do mandato de Trump.

Na memória dos seguidores desta série de animação, há mais de 25 anos no ar, está um episódio de 2000, intitulado "Bart To The Future", no qual os autores da série brincavam com o facto de Lisa Simpson conquistar a Sala Oval ao então Presidente George W. Bush.

Um dos argumentistas da série, Dan Greaney, chegou a afirmar à imprensa norte-americana que o texto escrito há 17 anos era "um aviso para a América".