Gráfica e Editora Moura Ramos: livros, revistas, embalagens, sacolas, agendas e impressos em geral. Google+

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

As aparência enganam até na hora da fome

Provavelmente, você já deve ter ouvido falar sobre pareidolia: aquela habilidade que nós temos de enxergar formatos conhecidos em objetos aleatórios, com sentidos e funções diferentes dos originalmente previstos.

Hoje veremos aqui alguns exemplos de imagens em que as pessoas viram comida onde não havia — teve quem achou bacon em pedra, ravióli em filhote de jamanta e kiwi em cabeça de nenê. Veja você mesmo:

1. A pedra que mais parece um bacon gigante

2. Estas árvores cujos formatos lembram abacaxis

3. O interior da bola de golfe, que parece feito de carne

4. O cogumelo que tem cara de suculenta sobremesa

5. Filhotes de jamanta ou raviólis?

6. Estas pedras lapidadas que dão água na boca aos chocólatras
7. “Minha pasta de dente parece barriga de salmão”

8. O pedaço de rocha semelhante a um sanduíche grelhado

9. A suposta banana que, na verdade, se trata de uma folha caída

10. O cogumelo que mais parece um grandioso donut

11. O pai que enxergou na cabeça do filho um kiwi

12. Esta pedra que lembra uma broa integral fresquinha

13. As árvores da rua onde enxergaram grandes brócolis

14. O pedaço de papel parecido com um bife

15. A tampa de ferro que, pintada de amarelo, virou abacaxi


sábado, 20 de janeiro de 2018

20 curiosidades estatísticas sobre a a vida humana



1 – A expectativa de vida humana subiu mais nos últimos 50 anos do que nos últimos 200 mil anos;

2 – Há mais coisas vivendo na sua pele do que seres humanos no planeta;

3 – Aliás, ao longo da sua vida você vai trocar de pele cerca de 900 vezes;

4 – A saliva que você produz ao durante toda a sua vida seria suficiente para encher duas piscinas;

5 – Um total de três meses de toda a sua vida é o tempo que você passa no banheiro;

6 – 80% das pessoas do mundo vivem com uma orçamento menor do que US$ 10 por dia;

7 – Passar mais de três horas sentado ao longo do dia, todos os dias, significa reduzir em 2 anos a sua expectativa de vida;

8 – Pessoas que se exercitam vivem quase seis anos a mais do que os sedentários;

9 – Uma pessoa pode sobreviver até dois meses sem comer absolutamente nada;

10 – Se todo mundo lavasse as mãos adequadamente, 1 milhão de pessoas deixariam de morrer todos os anos;

11 – Em média, passamos duas semanas do nosso tempo de vida beijando;

12 – A cada ano a expectativa de vida aumenta em três meses;

13 – Durante a vida, uma pessoa anda 120 mil quilômetros, o equivalente a três voltas ao redor da Terra;

14 – Cada cigarro que uma pessoa fuma reduz em 11 minutos seu tempo de vida;

15 – A probabilidade de alguém viver por mais de 110 anos é de 1 em 7 milhões;

16 – Você boceja cerca de 250 mil vezes ao longo da vida;

17 – Os homens gastam seis meses de suas vidas fazendo a barba;

18 – Dormir menos do que sete horas por noite reduz sua expectativa de vida;

19 – Dois terços das pessoas do mundo que conseguiram viver mais do que 65 anos ainda estão vivas.

20 – Uma pessoa que é desprovida da beleza, tem mais chance de ter um amor sincero para a vida inteira, do que uma pessoa que é linda.


sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Confira os tipos de papéis para impressão gráfica que encantam os clientes


Todo cliente de gráfica quer produtos de qualidade, principalmente quando se trata de algo que envolve sentimentos como, por exemplo, convites de casamento ou álbuns de fotografias.

Quando isso acontece, quais tipos de papéis para impressão você está oferecendo?

Os mesmos que a concorrência?

Hoje em dia existem centenas de papéis diferenciados que você pode oferecer para encantar seus clientes.

As pessoas querem ser exclusivas, e com a grande concorrência de gráficas em algumas cidades, quem oferece algo diferente fideliza o cliente.

Quer se diferenciar?

Neste artigo veremos mais de 15 tipos de papéis para impressão gráfica altamente recomendado para os clientes.

Tipos de papéis para impressão mais usados

Hoje em dia existem dezenas de tipos de papéis para impressão gráfica, cada um com características únicas. Confira a lista abaixo dos papéis mais usados em impressão gráfica:
  • Jornal;
  • Kraft;
  • OffSet;
  • Supremo;
  • Couché;
  • Reciclato;
  • Papel revista;
  • Papel fotográfico;
  • Cartolina;
  • Papel cartão.
No ramo gráfico, alguns dos papéis acima serão essenciais para o negócio.

Ele são a base da maioria dos trabalhos.

Mas por que parar no básico?

Vamos dar mais um passo e conhecer os papéis especiais mais indicados aos clientes:

#1: Papel vergê


O papel vergê é um tipo de papel muito usado para fazer convites de casamento e artesanatos. Ele é mais duro que o papel sulfite e mais fino que a cartolina, e sua textura, em relevo, é levemente rugosa, com pequenas linhas paralelas.

Perfeito para artigos que requerem sofisticação.

Onde usar?

O papel vergê é indicado para imprimir certificados, diplomas, convites, folhetos, cartões de visita e até mesmo fazer artesanato.

Gramatura: Normalmente de 80 a 180 g/m².

#2: Papel Fine Art


Fine art é uma técnica de impressão de obras de arte. Essa técnica exige uma série de requisitos muito complexos e precisos.

Um desses requisitos é o papel.

Os papéis para fine art precisam ser extremamente resistentes ao tempo (mais de 60 anos), e suportar a melhor qualidade de impressão.

Alguns papéis fine art são:
  • Photo Glossy
  • Photo Rag
  • Canvas
Cada categoria de papel é feita para enaltecer a imagem da obra original.

As marcas mais famosas de papéis fine art são: Canson e Hahnemuhle.

Onde usar?

Fotografias, quadros e obras de arte em geral.

Gramatura: Desde 80 a mais de 400 g/m².

#3: Papel de linho

O papel de linho é o tipo de papel ideal para quem procura alta qualidade de impressão com sofisticação. Sua superfície é fosca e a textura lembra o tecido linho. Embora seja um muito usado em convites, cartões e embalagens, o papel de linho também é excelente para artesanatos.

Além disso, este papel é altamente resistente a altas temperaturas.

Onde usar?

Convites em geral, folhetos, cartões de visitas, embalagens, artesanato, cartazes, fotografias e outros.

Gramatura: Normalmente de 80 a 200 g/m².

#4: Papel aspen


O papel aspen é o tipo de papel ideal para impressão de convites de luxo. Liso e brilhante, com aspecto metalizado/perolado, pode ser encontrado em diversas cores. Uma característica interessante deste papel é que a superfície muda de cor de acordo com a luminosidade do ambiente.

Onde usar?

Convites em geral, cartões de visitas e outros artigos de luxo.

Gramaturas: De 120 à 240 g/m².

#5: Papel majorca

O papel majorca é da mesma linha do papel aspen. Sua superfície é lisa com aspecto metalizado/perolado, e assim como o aspen, as cores também são influenciadas pela luminosidade do ambiente.

Pode ser encontrado em diversas cores, porém, a cor mais comum é o dourado.

Onde usar?

Convites em geral, cartões de visitas e outros impressos especiais.

Gramaturas: De 120 a 200 g/m².

#6: Papel vegetal


O papel vegetal é fabricado com fibra de celulose pura, ou seja, sem adição de químicos. Este tipo de papel é muito usado para fazer desenhos, pois possui transparência parcial. Além disso, é excelente para acabamentos de convites.

Outro detalhe importante é:

A formação do papel é rígida, isso faz com que o papel vegetal possa ser dobrado sem que a fibra seja quebrada.

Onde usar?

Sobreposição de convites, artesanato, catálogos e outros impressos especiais.

Gramaturas: Normalmente 180 g/m².

#7: Papel diamond


O papel diamond é conhecido popularmente como papel casca de ovo, por conta de sua superfície porosa. Por ser um papel grosso, o diamond é bastante resistente. Os impressos feitos com este papel ganham aspecto requintado.

Você pode encontrar papéis diamond em diversas cores e estampas.

Onde usar?

Convites, catálogos, folders, cartões de visitas e outros impressos especiais.

Gramaturas: Normalmente 250 g/m².

#8: Papel design white

Este papel é macio, pois possui uma quantidade razoável de algodão em sua composição. Com uma leve textura quadriculada, o papel design white é ideal para impressões de alta qualidade.

A maciez do papel adiciona um toque de luxo ao impresso.

Onde usar?

Convites em geral, catálogos e outros impressos especiais.

Gramaturas: 250 g/m².

#9: Papel fotográfico


O papel fotográfico, como o nome já diz, é um tipo de papel para impressão de fotografias. Os mais comuns são compostos do mesmo material que o papel couché, porém, com uma camada extra de polietileno. Essa camada extra adiciona mais resistência e brilho ao papel.

Existem diversos tipos de papéis fotográficos, tais como:
  • Papel matte
  • Papel glossy
  • Papel microporoso
  • Papel de linho
Dentro dessas categorias existem papéis com diferentes texturas e superfícies.

Onde usar?

Fotografias.

Gramaturas: De 90 a 120 g/m².

#10: Papel duplex


O papel duplex é composto por duas camadas, uma é branca e lisa e a outra possui cor de papel puro. Sua composição o torna mais grosso, ideal para embalagens personalizadas.

Onde usar?

Como o papel duplex é mais grosso, é ideal para fazer caixas, sacolas e embalagens em geral.

Gramaturas: De 250 a 350 g/m².

#11: Papel offset


O papel offset é fosco e branco dos dois lados, parecido com o papel sulfite. Possui alta resistência contra umidade e absorve mais tinta que os outros papéis por não conter nenhum tipo de revestimento.

Além disso, é um dos papéis mais baratos do mercado.

Onde usar?

O papel offset é ideal para produtos que receberão textos, como papéis timbrados, miolos de livros, folhetos, envelopes, agendas, cartas, blocos, cartazes e até selos.

Algumas pessoas utilizam o papel offset para fazer folders e panfletos.

Gramaturas: De 56 a 240 g/m².

#12: Papel reciclato


O papel reciclato é um papel de alta resistência, feito com restos de papel offset ou sulfite. O processo de reciclagem dá ao papel o tom marrom e a textura áspera.

Utilizar este papel pode transmitir valores ecológicos e sustentáveis, por isso é comum entre empresas que preservam valores ecologicamente corretos.

Porém:

O custo é maior que o papel offset ou sulfite.

Onde usar?

Ideal para papéis timbrados, blocos de notas, hot stamping, miolos de agendas, cartões de visita e cartazes.

Gramaturas: De 90 a 120 g/m².

#13: Papel supremo


O papel supremo é muito resistente, devido à alta gramatura, e sua textura é extremamente lisa. Entre as opções comuns é o papel mais liso e resistente, indicado para impressões de alta qualidade e acabamento.

Curiosidade:

O nome “supremo” é apenas comercial. Na verdade, este papel se chama “cartão triplex”.

Onde usar?

Calendários, imãs, pastas, embalagens, cartões de visita, marcadores de página, encartes e convites.

Gramaturas: De 250 a 350 g/m².

#14: Papel couché

O papel couché é bastante liso e possui uma camada de revestimento adesivo. É um dos tipos mais usados em gráficas, pois possui excelente custo-benefício, sendo um dos preferidos do público em geral. A principal aplicação desse tipo de papel é o cartão de visita.

Os tipos mais comuns são:
  • Papel couché fosco;
  • Papel couché com brilho.
Ambos são lisos e uniformes, porém, a camada de revestimento do couché com brilho reflete mais luz, e por isso é mais brilhante que o fosco.

O aspecto super brilhante do couché com brilho deixa as cores mais vivas, porém, dificulta a leitura.

Ambos são indicados para quem busca alta qualidade de impressão.

Onde usar?

Papel ideal para flyers, catálogos, folders, folhetos, cartazes, malas diretas, revistas, cartões de visita, tags, capas de livros e muito mais.

Gramaturas: De 90 a 350 g/m².

#15: Papel Kraft

O papel kraft não recebe branqueamento no processo de fabricação, preservando a cor original da madeira. Sua resistência é extremamente alta, por isso é o tipo de papel ideal para a confecção de embalagens, sacolas e caixas em geral.

É possível encontrar papel kraft em cores como branco, laranja, amarelo e tons de azul.

Curiosidade:

Muitos designers e desenhistas gostam de usar o papel kraft em suas artes.

Onde usar?

Sacolas, embalagens de produtos e caixas em geral.

Gramaturas: De 30 a 115 g/m².

#16: Papel jornal


O papel jornal é feito a partir de pasta mecânica, usado pela indústria gráfica de grandes tiragens. Sua textura pode variar entre áspera, lisa ou acetinada. A qualidade de impressão neste papel é baixa.

Onde usar?

Jornais, revistas, blocos, folhetos e materiais promocionais.

#17: Papel transfer e sublimático


O papel transfer e sublimático são específicos para aplicações de transferência de imagens para objetos, como canecas e camisas.

Através de um equipamento especial a tinta do papel evapora e gruda no objeto destinado.

Onde usar?

Canecas, squeezes, azulejos, tecidos e outros.

#18: Papel cartão

O papel cartão só é encontrado em gramaturas mais altas. Para termos noção, este papel é mais duro que cartolina, porém, não tanto quanto o tipo papelão. Pode ser encontrado em diversas cores, mas somente um dos lados é colorido.

Onde usar?

Caixas, molduras de quadros e embalagens em geral.

Gramaturas: De 180 a 240 g/m².


quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Metas para 2018 e balanço de 2017 (na empresa e na vida pessoal)


Confira este ótimo artigo de  para o Linkedin
-----------------------------------------------------------------------------------------

Muita gente esperou ansiosa pelo fim de 2017, na esperança de que o novo ano trouxesse também novos e bons ventos. Confesso, vejo esses anseios com certa curiosidade porque tirando aquilo que não depende diretamente de nós, como as questões políticas e econômicas, acho muito curioso as pessoas acreditarem que apenas o virar do calendário poderá trazer mudanças. Enquanto a transformação não vier de nós, esse será mais um ano que se esperará ansioso pelo fim.

E já que, enfim, 2018 chegou – aliás, acabamos de entrar em sua segunda semana! – que tal antes de propor novas resoluções você avaliar as conquistas do ano que passou? Sim, tenho certeza de que, por mais difícil que 2017 tenha sido, há algo a ser celebrado. Então, celebre! Também é valido buscar entender o porquê de não ter atingido alguma ou algumas metas que havia se proposto.

Para fazer esse “balanço” de forma objetiva e clara, vale colocar no papel todas as suas reflexões. Então, mãos à obra: liste suas perdas e seus ganhos, os acontecimentos positivos e negativos, os objetivos conquistados e aqueles que não foram atingidos, aqueles hábitos que você mudou e os que não conseguiu. É importante que nessa checagem não entre só o âmbito profissional, coloque na balança sua vida pessoal também, afinal de contas cada vez mais fica difícil separar a vida profissional da pessoal, ou seja, cada vez mais somos mais inteiros. E antes que você comece suas listas, já faço um alerta: olhe de verdade para tudo de positivo que aconteceu, jamais esqueça deles e nunca supervalorize as coisas ruins.

Feito o balanço do ano que passou, é hora de traçar as novas metas. Ao pensar nas resoluções para 2018 lembre-se: quem tenta fazer muita coisa acaba não fazendo nada. Fundamental é priorizar. Uma sugestão valiosa para sua lista de metas é, depois de fazê-la, corte ela na metade!

Outro ponto importante é não confundir metas com sonhos. Por exemplo, querer um emprego novo, viajar mais, falar uma outra língua, tudo isso é sonho. A meta existe quando você define exatamente aonde quer chegar. Qual emprego novo você quer? Qual cargo? Em qual empresa? As metas devem ser sempre específicas, mensuráveis, realizáveis, relevantes e com prazo definido. Escreva suas metas em um papel e deixe o sempre à vista. A ideia é que você faça contato visual diário com seu planejamento, assim você vai se sentir sempre impelido a tomar decisões que te levem a concretizá-lo.

Um conselho ousado, porém, infalível é tornar sua meta pública. Isso mesmo: conte para a família, os amigos, o chefe, os colegas de trabalho. Quando fazemos isso nos comprometemos inconscientemente a conquistar aquele objetivo, além disso, a cobrança e o interesse daqueles que sabem dos seus planos vai ajudar ainda mais na corrida em busca daquilo que você se propôs.

Também é válido você se desafiar. Proponha-se a realizar algo que te tira da sua zona de conforto, que te leva para aquele lugar incômodo, mas que pode te fazer saltar muitas casas no jogo da vida. Quando você se desafia, dá um passo na direção a novas horizontes que podem trazer experiências altamente transformadoras, seja na vida profissional ou pessoal. Vale a pena arriscar-se. 

Boa sorte e que esse seja um ano de muitas realizações e sucesso para todos nós!

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

10 incríveis embalagens de chocolate


Imagina uma sobremesa boa. Ela contém chocolate? Se sim, bem vindo ao clubes dos chocólatras. Agora, se você é apaixonado por chocolate e, além disso, é designer, a chance de você comer mais por causa de uma embalagem bem feita é grande. Então prepara a salada pra semana que vem porque agora é hora de comer doce. Pelo menos com os olhos.

Confira esta seleção de embalagens de barra de chocolate inspiradoras e maravilhosas, que faz qualquer designer chocólatra sorrir como bobo:


Esta loja mexicana de presentes tem uma categoria dedicada somente a chocolates com conceitos muito criativos, que extrapolam a embalagem e cobrem o produto. Imagine comer um chocolate Pollock?






Este kit lindo de chocolates foi um presente de fim de ano criado pelo estúdio Chase para mostrar a habilidade da equipe em Design e tipografia. Parece que deu certo.





Um chocolate mexicano, com referências aos grafismos geométricos da cultura asteca, interpretados de uma forma mais moderna.






A marca é propriedade de um chocolatier que faz seus chocolates de maneira artesanal. Com os produtos também são embalados à mão, os designers pensaram em uma maneira única de dobrar o papel para enrolar as barras., trazendo o conceito de origami para o projeto.






Uma marca de roupas femininas que resolveu expandir para outros ramos. A embalagem reflete bem este universo, seguindo a ideia principal do briefing “escape the noise” (fugir do barulho), sugerindo elementos relacionados à tranquilidade e relaxamento, contando sutilmente histórias de alguns países pelo mundo.







Uma marca que faz referência à matéria-prima, com foco na origem do cacau.






A embalagem de chocolate ilustrada pelo artista e diretor de arte brasileiro Mauro Martins ganhou seu lugar na Bienal de Design Gráfico. Seu traço é bem marcante e suas ilustras já estamparam diversas campanhas e produtos.





Um projeto assinado por designers brasileiros, com incríveis texturas de marbling (veja mais sobre esta técnica aqui).










Um trabalho belíssimo de lettering para uma marca de chocolates veganos.





Agora, se você não gosta de chocolate, pode criar sua embalagem e mandar pra cá (com o chocolate dentro, claro).

Fonte: CuteDrop