Gráfica e Editora Moura Ramos: livros, revistas, embalagens, sacolas, agendas e impressos em geral.: 2018 Google+

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

A volta de Angry Birds em nova versão com realidade aumentada


A realidade virtual de fato chegou. O que achávamos que seria algo do futuro, atualmente está virando um fato do nosso cotidiano. Se aproveitando disso, a franquia nostálgica dos Angry Birds lançou uma nova versão do jogo a qual fornece uma experiência dinâmica e única. A brincadeira pode sair um pouco cara podendo chegar em até US$ 2.300. Entretanto a ideia dessa imersão virtual e da interação do player com o jogo, mostra um imenso avanço e evolução no mundo dos games.

Desenvolvido em parceria com a Resolution Games, o jogo foi feito para criar uma experiência 100% 3D, ou seja, a pessoa que está jogando deve rodear de verdade a estrutura dos Birds e não apenas uma tela flutuante no ar. O que vai ter de gente tropeçando no tapete e no sofá não vai ser brincadeira.

Confira o teaser:

sábado, 22 de setembro de 2018

O brasileiro é um dos que mais jogam o “Dinossauro do Chrome”


Neste mês de setembro o navegador Google Chrome completou 10 anos de existência e para comemorar, a empresa revelou alguns “segredinhos” sobre a produção e o desenvolvimento desse easter egg muito conhecido por seus usuários, o famoso jogo do Dinossauro.

Porém, a grande novidade encontra-se na relação entre o brasileiro e o jogo. O Brasil é terceiro país que mais joga o mini-game, perdendo apenas para o México e a Indonésia. Segundo os fundadores do jogo, tal posição está ligada à instabilidade ou ao alto preço da internet móvel nesses países.
O blog oficial da Google também comentou que a grande inspiração para esse jogo foi o Sonic, um dos maiores ícones do Mega drive da década de 90.

“É uma piada porque você volta para a era pré-história, quando não existia Wi-Fi. O cenário desértico e cheio de cactos é a primeira interação da página que diz que “você está offline”, enquanto o estilo visual é uma homenagem ao pixel art tradicional das mensagens de erro do Google Chrome”.

Quem disse isso foi um dos designers do Chrome, Sebatian Gabriel, explicando que o conceito do jogo é realmente apresentar de forma irônica a pré-história, quando nem se sonhava com o uso da internet e dos dados móveis.


sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Apresentamos Picular, o Google das cores

Com a crescente demanda de encontrar ferramentas para gerar paletas de cores perfeitas, o estúdio digital Future Memories desenvolveu um projeto denominado de Picular.

O projeto nada mais é do que o Google das Cores, onde o usuário pesquisa por objetos e lugares (utilizando o algoritmo da Google) e encontra sua paleta de cores relacionadas a sua busca, formando assim, uma coleção completa com os tons de diversas imagens.

Fizemos uma simples pesquisa, com as palavras “Gráfica Moura Ramos” e o resultado não poderia ser diferente:


O sistema trouxe basicamente as cores de nossa logo e variações de tons dela e de nossa atual identidade visual em hexadecimal. Usada com criatividade, essa ferramenta pode dizer a cor correta que represente uma emoção por exemplo.


Acesse Picular e faça o seu teste nessa incrível plataforma gratuita.


quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Senac inscreve para 2,8 mil vagas em cursos em quatro cidades da Paraíba


Oficinas e palestras também são ofertados em João Pessoa, Campina Grande, Patos e Cajazeiras.

Ao todo, 2.858 vagas para cursos, oficinas, palestras e workshops estão sendo oferecidas pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial da Paraíba (Senac). As oportunidades são para os meses de setembro e outubro, nas unidades localizadas em João Pessoa, Campina Grande, Cajazeiras e Patos. Os cursos têm cargas horárias que variam de 30 a 300 horas aula.

Segundo o Senac, as matrículas podem ser feitas até a data de início das atividades, de acordo com a disponibilidade de vagas para a opção escolhida.

Em João Pessoa, o Centro de Educação Profissional (CEP) tem cursos disponíveis nas áreas de Gestão, Comércio, Informática, Comunicação, Moda, Artes, Beleza e Saúde, enquanto que o Centro de Desenvolvimento Gerencial (Cendege) oferece nas áreas de Gestão, Comércio, Conservação e Zeladoria, Informática e Turismo e a Escola Senac de Gastronomia e Hotelaria disponibiliza nas áreas de Hospitalidade, Produção de alimentos e Turismo.

Já em Campina Grande, há cursos em Gestão, Comércio, Conservação e zeladoria, Informática, Comunicação, Idiomas, Artes, Moda, Beleza, Saúde, Produção de Alimentos e Hospitalidade.

Em Cajazeiras, há vagas disponíveis nas áreas de Informática, Beleza e Saúde, Design, Turismo e Conservação e Aeladoria. E no município de Patos, as opções são nas áreas de Gestão, Comércio, Informática, Design, Beleza, Saúde e Hospitalidade.

A lista de cursos, as datas, carga horária, pré-requisitos básicos e preços estão disponíveis no site do Senac. Após escolherem o curso, os interessados devem procurar a unidade que oferece a vaga desejada, com o RG, CPF e comprovante de pré-requisito em mãos para realizar a matrícula.

As unidades que disponibilizam os cursos podem oferecer mais informações por meio dos telefones: 
  • (83) 3214-2330 (CEP João Pessoa)
  • (83) 3214-2340 (Cendege)
  • (83) 3031-3547 (Escola de Gastronomia e Hotelaria)
  • (83) 3341-5711 (Campina Grande)
  • (83) 3531-3552 (Cajazeiras)
  • (83) 3421-3514 (Patos)

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

O que você sabe sobre Uniformes Operacionais? 🤔



Quando você pensa em uniformes operacionais, vem a sua mente a imagem de um macacão surrado e um pouco sujo?

Se sua resposta foi sim, está na hora de rever seus conceitos.

Mesmo em ambientes industriais, hospitalares, gastronômicos ou em outras áreas que necessitam de uniformes mais resistentes, já são utilizadas tecnologias, tecidos e modelagens que auxiliam o funcionário a desempenhar suas funções de maneira segura, prática e confortável.

Sim, estes uniformes devem ser resistentes e funcionais, mas nem por isso precisam deixar de oferecer conforto ao profissional e muito menos deixar de identificar e transmitir os valores da sua marca.

Até mesmo o tradicional macacão, deve estar alinhado com os conceitos da empresa e adequado as funções de quem irá utilizá-lo. Outro trio sempre presente nos ambientes operacionais são a calça em brim, a camisa de malha e o agasalho, que trabalhados em conjunto, compõem muito bem a apresentação de um funcionário que atenda o público final.

Vale ressaltar que é dever da empresa fornecer os uniformes operacionais para que seus colaboradores possam desempenhar de maneira segura suas funções. É preciso ficar atento ao estado de conservação do material, para que não esteja rasgado ou desgastado demais.

Fonte: Inove

terça-feira, 18 de setembro de 2018

Prevenção do suicídio nas escolas

Ilustração: Lucas Magalhães

O que é o Setembro Amarelo e por que devemos falar dele nas escolas? A discussão sobre suicídio deve ser feita com naturalidade e seriedade desde a infância e adolescência.

Setembro é o mês de prevenção ao suicídio. Desde 2014, o Centro de Valorização da Vida (CVV), em parceria com o Conselho Federal de Medicina e a Associação Brasileira de Psiquiatria, promovem a campanha Setembro Amarelo para conscientizar a população da importância de falar sobre o tema.

O mês foi escolhido para estender as ações do Dia Mundial da Prevenção ao Suicídio, 10 de setembro. Neste período, as três entidades incentivam e apoiam escolas, governos, empresas e ONGs a aderirem ao movimento. Por isso, é comum ver pontos turísticos, monumentos históricos e fachadas de prédios com iluminação amarela. Da mesma forma, é possível encontrar a fita de mesma cor estampando cartazes, outdoors e campanhas online. Passeatas e caminhadas também são frequentes em cidades brasileiras.

Segundo Elaine Macedo, voluntária do CVV, a ideia do Setembro Amarelo é reforçar um posicionamento defendido durante todo o ano pela entidade. “Precisamos acabar com o tabu de que falar sobre o suicídio incentiva a prática. A prevenção é um processo educativo. Quanto mais falamos sobre isso, de forma apropriada, mais clarificamos, explicamos e, portanto, prevenimos”, diz.

Segundo o CVV, 32 brasileiros se suicidam por dia no país, taxa superior às mortes causadas por câncer e AIDS. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, nove em cada dez casos poderiam ser prevenidos. A faixa etária que mais preocupa as autoridades é entre os 15 e 35 anos. Por isso, Elaine defende que o tema seja tratado desde a infância.

“Não é algo que ocorre da noite para o dia. O jovem pode levar anos amadurecendo a ideia até que o impulso aconteça. A discussão nas escolas, com naturalidade e seriedade, gera uma adolescência mais saudável”, explica a voluntária, que defende a importância de incentivar a Educação emocional. 

“Precisamos ensinar as crianças e adolescentes a redimensionar seus problemas, a saber enfrentar as intempéries da vida, a falar sobre suas emoções”, diz.

O CVV se coloca à disposição para realizar palestras, rodas de conversa e debates em instituições, inclusive em escolas, em setembro ou nos outros meses do ano. Para mais informações sobre a campanha, visite os sites do Setembro Amarelo, do Centro de Valorização da Vida e da Associação Brasileira de Psiquiatria. É possível baixar cartazes e cartilhas sobre o tema. NOVA ESCOLA e Gestão Escolar também produzem com frequência reportagens sobre suicídio e depressão. Veja neste link uma coletânea de textos para serem trabalhados com gestores, professores e estudantes.


segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Os desafios das embalagens


O portal 3M Inovação é conhecido por estimular a criatividade e a colaboração dos usuários, pois acredita que novas ideias são essenciais para inovar. 

Pensando nisso, eles criaaram um desafio de ideias a fim de saber o que seus seguidores acham do futuro da embalagem. E o resultado foi - como sempre - muito produtivo!

Surgiram várias ideias sobre como inovar em embalagens, mas a maioria gira em torno da sustentabilidade: elas precisam ser recicláveis ou reutilizáveis, passando a ter uma nova utilidade para o consumidor. Isso exigiria da sociedade um certo costume para encará-las dessa forma e as empresas têm um importante papel nesse processo.

Para educar os consumidores, algumas soluções foram propostas, como a impressão nas embalagens de opções de reciclagem para a criação de um novo objeto e a criação estratégica de espaços externos para descarte de materiais. Para tornar a cadeia de produção cada vez mais sustentável, transformar as embalagens em adubo e investir em formatos adaptáveis são ideias bastante viáveis. Esta última, por exemplo, já é uma inovação da 3M para seus clientes: a solução que protege os produtos, mantém a identidade visual do vendedor e tem menor desperdício.

Um dos ramos de investimento da 3M é justamente o de inovação a cerca de embalagens. Eles desenvolveram, por exemplo, uma etiquetagem para rastreamento de produto que permite acompanhar todo o trajeto até seu destino final, nas mãos do consumidor. Outra solução é o "Multipack 3M", que possibilita agrupar produtos com muito menos uso de plástico do que as soluções atuais, evita o desperdício e não prejudica a identidade visual.

Confira mais no vídeo abaixo:


domingo, 16 de setembro de 2018

O desafio das embalagens de alimento em reduzir a geração de resíduos

Imagem: Scrap This Pack / Flickr CC 2.0

Acondicionar alimentos é uma prática antiga e necessária, mas há exageros evidentes

Desde o inicio da sociedade as embalagens apresentam importante papel no transporte e preservação do alimento até o momento do seu consumo. As primeiras embalagens utilizadas pelo homem datam de dez mil anos atrás, quando utilizavam-se recipientes de estruturas naturais, como casca de coco e conchas. A primeira matéria-prima utilizada em escala para produção de embalagem foi o vidro, seguida de embalagens produzidas de aço e estanho; atualmente é possível encontrar, além das embalagens já citadas, diversos modelos feitos com diferentes polímeros, celulose e alumínio.

A grande demanda por alimentos resulta na geração de um volume acentuado de resíduos sólidos que, na maioria das vezes, não recebe o devido fim, contribuindo para a poluição de solos e águas. Diante deste cenário, as indústrias de embalagens, segundo comitê de meio ambiente e sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (Abre), devem ser adequadas segundo normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) ISO TR 14.062/2014, integrando aspectos ambientais ao desenvolvimento do produto (embalagem). A integração dos aspectos ambientais no projeto e no desenvolvimento de produtos busca prevenir os impactos antes que eles aconteçam e minimizá-los quando não for possível evitá-los. Atualmente a indústria brasileira já alcançou a excelência na qualidade das embalagens, porém ainda é necessário o aprimoramento na integração dos aspectos ambientais.

Medidas aparecem aos poucos

Apesar do longo caminho que as indústrias produtoras de embalagem precisam percorrer para desenvolver embalagens mais sustentáveis, algumas medidas já estão sendo tomadas, como a criação de embalagens biodegradáveis, recicláveis ou a aplicação da logística reversa. Uma empresa de refrigerantes, através de um projeto cujo tema é a leveza, busca diminuir cada vez mais o peso da embalagem sem, entretanto, comprometer a sua qualidade. A redução do peso das latas de alumínio entre 1997 e 2013 foi de 13,00 g para 10,06 g, o que representa uma diminuição de aproximadamente 23% de metal utilizado na fabricação da lata.

Outras medidas também estão sendo cogitadas para a reduzir o impacto ambiental causado pelas embalagens, como a tentativa de se padronizar as embalagens retornáveis/reutilizáveis (atualmente utilizados nas industrias de cerveja e refrigerante) para todos os produtos, como por exemplo, biscoitos e grãos que são acondicionados em filmes flexíveis e de baixo peso. Entretanto, nesse caso, as novas embalagens mais robustas e volumosas não apresentam vantagens nas questões de investimento ambiental em termos de uso de matérias-primas, processo produtivo, transporte, entre outros. Produtos gordurosos também apresentam impasses quanto à utilização de embalagens retornáveis, pois requerem grandes quantidade de água e de detergentes no processo de esterilização.

Consumidor

Os consumidores também têm um papel fundamental na sustentabilidade das embalagens, uma vez que são eles que decidem qual produto vão levar para casa. Se houver conscientização na hora da compra, com o consumidor optando pelos produtos que não possuem excesso de embalagens (como no desnecessário caso da bandeja e do filme plástico para acondicionar a banana - veja foto no início do artigo), e que apresentam embalagens recicláveis ou biodegradáveis, e escolhendo produtos concentrados ou que sejam vendidos em refil, consequentemente os fabricantes serão obrigados a se adequar as exigências dos consumidores.

O caso das latas de aço para óleo de soja demonstra a força que a escolha do consumidor tem sobre as características do produto. Apesar da lata de aço promover uma melhor conservação e, segundo Antônio Carlos Teixeira, presidente do do Sindicato Nacional das Industrias de Estamparias de Metais (Siniem) a utilização da embalagem PET acarretar na adição de conservantes ao óleo, os consumidores optaram pela garrafa PET principalmente pela transparência e pela ideia de que o material é facilmente reciclável. Porém a embalagem PET, quando utilizada para armazenar óleo, fica impregnada do produto, o que impossibilita sua reciclagem. Atualmente, os consumidores enfrentam a indisponibilidade de óleo de soja em lata de aço no mercado, dificultando a retomada de um hábito antigo que, no fim das contas, era mais sustentável. Também é importante ressaltar que cabe ao consumidor se informar sobre o nível do benefício da utilização de uma determinada embalagem para o meio ambiente, uma vez que a indústria pode mascarar ou omitir informações importantes sobre processo de produção, transporte, higienização de um determinado material ou o que acontece com ele quando em contato com o alimento a ser acondicionado.

A gestão e gerenciamento de resíduos sólidos disposta na Lei Nº 12.350, de 2 Agosto de 2010, tem como prioridade a não geração de resíduos sólidos. Será que o consumo de alimentos seria viável sem a utilização de embalagem, minimizando assim a geração de resíduos? Na Alemanha, um novo conceito de mercado vende produtos sem embalagem - o consumidor leva seus próprios recipientes e compra a quantidade necessária para seu consumo, evitando assim não apenas o desperdício de embalagem, mas também de alimentos. No Brasil, a implantação dessa prática requer a conscientização e a responsabilidade do consumidor, entretanto a existência de regiões cerealista, mercados municipais, feiras livre e mercados que oferecem determinados produtos a granel não é novidade para os brasileiros. Mas a maioria dos consumidores prefere a comodidade que os mercados oferecem... Para as pessoas que desejam uma forma de compra mais sustentável e com menor uso de embalagens, existe a opção desses comércios.

O descarte adequado é de extrema importância para que seja possível a reciclagem e a reutilização das embalagens retornáveis. Se você é um consumidor de cerveja ou refrigerante (apesar de nenhum dos dois ser muito recomendável) e consome o produto em embalagens retornáveis, não utilize os recipientes para depositar bitucas de cigarros, papel toalha ou qualquer outro objeto, pois isso torna a higienização da embalagem mais difícil, proporcionando um gasto maior de água e detergente. Além disso, cabe a nós consumidores separar o lixo reciclável do orgânico e não reciclável, e assim evitar o acumulo de lixo em lugares inadequados. E para finalizar, a compostagem é sempre uma boa alternativa para o lixo orgânico.


sábado, 15 de setembro de 2018

Como podemos ajudar na Prevenção do Suicídio


Pode ser que, em algum momento de nossas vidas, desconfiemos de que alguém próximo está pensando em suicidar-se em decorrência de um grande sofrimento. Diante dessa situação, o sentimento de impotência pode se fazer presente, fazendo-nos acreditar que não há como intervir, uma vez que a pessoa parece já ter decidido encerrar a própria vida. Entretanto, ao contrário do que o senso comum tende a reproduzir, existem diversas maneiras de auxiliar essa pessoa.

Se há uma desconfiança, é importante que se converse diretamente com a pessoa que está sofrendo. Um diálogo aberto, respeitoso, empático e compreensivo pode fazer a diferença. Procurar saber como a pessoa está, o que tem feito ultimamente, como está se sentindo. O foco da conversa deve ser o outro, portanto, não é recomendável: falar muito sobre si mesmo, oferecer soluções simples para os problemas que a pessoa relatar e desmerecer o que ela sente.

Essa conversa pode obter melhores resultados se for feita em um lugar tranquilo, sem pressa, respeitando o tempo da pessoa para se abrir. Caso a pessoa se sinta à vontade para compartilhar o seu sofrimento, não é indicado: rechaçar (“Credo, isso é pecado!”), esboçar expressões de choque (“Não acredito que você tá pensando nisso!”) e reprimir, caso o choro venha (“Pra que chorar? Você sempre teve tudo do bom e do melhor!”).

A escuta ativa deve sempre estar presente nesses diálogos. Uma escuta ativa consiste em realmente ouvir e compreender o que o outro diz, não apenas esperar uma pausa para poder respondê-lo. Isso não significa, no entanto, deixar a pessoa falando sozinha. Algumas pontuações que podem ser feitas consistem em: fazer perguntas abertas; fazer um breve resumo do que a pessoa falou, de tempos em tempos, para que ela saiba que você está atento ao que ela diz; retornar a algum ponto que não tenha ficado claro e tentar, ao máximo, escutá-la sem julgamentos.

Oferecer suporte emocional e informar sobre a ajuda profissional, bem como se mostrar à disposição, caso ela queira conversar novamente, são pontos importantes. Se a pessoa falar claramente sobre os seus planos de se matar e parece estar decidida quanto a isso, é primordial que ela não seja deixada sozinha. Podem ser contatados os serviços de saúde mental e familiares/amigos da pessoa. Pode ser necessário que ela fique em um ambiente seguro, sendo auxiliada por um profissional.

Se você perceber que a pessoa não se sente à vontade para se abrir, deixe claro que você estará disponível para conversar em outras oportunidades. Você também pode indicar os serviços oferecidos pelo CVV, disponível em www.cvv.org.br, que trabalha para promover o bem estar das pessoas e prevenir o suicídio, em total sigilo, 24h por dia. 


sexta-feira, 14 de setembro de 2018

O impacto nas vendas das lojas quanto ao uso de embalagens especiais

Embalagens para lojas: entenda o quanto impactam as suas vendas!

Você investiu na sua loja, escolheu os melhores móveis, caprichou na seleção dos itens à venda, criou a identidade visual e fez a fachada. E na hora de entregar o produto ao cliente, você também já tem tudo planejado? As embalagens para lojas merecem atenção e cuidado ao serem desenvolvidas. São elas que, muitas vezes, fazem o primeiro contato com o consumidor ou vão para casa com ele.

Apresentamos neste post algumas dicas para ajudar a entender melhor a importância das embalagens para o seu negócio e como elas podem influenciar nas vendas. Confira:

1. Desenvolva embalagens práticas e funcionais

Um dos primeiros atributos que deve ser levado em conta ao escolher uma embalagem é o aspecto funcional. O material definido, o formato e tamanho são adequados para expor e transportar o seu produto específico?

Aspectos técnicos e legais devem sempre ser levados em conta no processo de desenvolvimento das embalagens. Alguns produtos têm normas mais rígidas para serem divulgados e transportados, por isso é essencial conhecer a legislação aplicada ao seu negócio.

Não é só a aprovação dos órgãos reguladores que conta. De nada adianta uma linda caixa para vinho que não aguenta o peso da garrafa, assim como uma sacola enorme pode ser um exagero para embalar uma lingerie. Respeitar os diferentes estilos e as características do seu ramo de atuação é um dos primeiros passos para a criação de uma embalagem de sucesso.

2. Aproveite para conceituar sua marca e atrair clientes

Além de satisfazer a necessidade básica de transporte e proteção, as embalagens são uma ótima ferramenta na formação da imagem do seu negócio. Através do estilo e da qualidade dos materiais escolhidos, é possível dizer muito sobre os valores da empresa e atrair o público-alvo do produto.

Aqui, vale a pena buscar embalagens personalizadas, cores e formatos diferentes que vão encantar seus clientes e podem se tornar um objeto de desejo por si só. É preciso lembrar que esses itens são também um símbolo de status: já reparou como as sacolas de algumas marcas são carregadas com orgulho e satisfação?

3. Aposte nas embalagens para lojas eco-friendly

Se a sua loja aposta na tendência “amiga do meio-ambiente”, as embalagens são um fator indispensável nessa estratégia. Pensar em materiais recicláveis, que causam baixo impacto ao ecossistema e apresentam a possibilidade de reutilização, é uma ótima pedida para atrair consumidores mais interessados na causa ambiental.

Mesmo que seu negócio não seja totalmente focado nessa linha, alguns desses aspectos podem ajudar a criar uma experiência de consumo mais interessante para os seus clientes.

Investir em embalagens é um ótimo negócio e você deve estar sempre atento às novidades do mercado, ao perfil dos seus clientes e o que eles estão buscando. Assim, vai ficar muito mais fácil atrair e manter consumidores, fortalecer a imagem da sua marca e aumentar as vendas.

Se você gostou destas dicas ou quer saber mais sobre como as embalagens para lojas podem impactar nas suas vendas, deixe seu comentário e vamos conversar mais sobre o assunto!


quinta-feira, 13 de setembro de 2018

15 conteúdos que incentivam a prevenção ao suicídio


Ilustração: Lucas Magalhães

Como lidar com bullying, cyberbullying, depressão e outros temas que causam angústia aos alunos

Setembro é o mês da prevenção ao suicídio. Por isso, GESTÃO ESCOLAR preparou uma lista com várias reportagens que podem ajudar gestores e professores a tratar do tema na escola, com os alunos ou a própria equipe. Os textos falam sobre saúde mental, bullying e clima escolar, assuntos que, em maior ou menor grau, se relacionam a suicídio.

O Centro de Valorização da Vida (CVV), criador da campanha Setembro Amarelo, defende a importância de falar do tema desde a infância, para que tenhamos adolescentes emocionalmente saudáveis. Neste link, você poderá ver por que a prevenção ao suicídio é incentivada em setembro e qual a importância de discutir esse assunto nas escolas.

Especialistas esclarecem dúvidas e apontam soluções para esse problema que preocupa pais, professores e gestores.
A prevenção é norteada pelo conhecimento dos fatores de risco e a desconstrução de mitos em torno do comportamento.
Apelidos e comentários maldosos muitas vezes são onsiderados "coisas de estudante", mas podem deixar marcas dolorosas e, por vezes, trágicas. Veja como acabar com o problema na sua escola e, assim, tirar um peso das costas da garotada.
Na internet e no celular, mensagens com imagens e comentários depreciativos se alastram rapidamente e tornam o bullying ainda mais perverso. Como o espaço virtual é ilimitado, o poder de agressão se amplia e a vítima se sente acuada mesmo fora da escola. E o que é pior: muitas vezes, ela não sabe de quem se defender.
A prática afeta a aprendizagem, a convivência e o comportamento dos alunos. Por isso, gestores precisam prevenir e saber encaminhar judicialmente os casos extremos. 
O grito silencioso da lâmina entre os adolescentes tem crescido nos últimos anos e acende um alerta para os educadores.
Os casos são frequentes entre adolescentes e a escola precisa ter um olhar atento e acolhedor sobre quem o pratica. 
O desafio que circula entre os jovens assusta famílias e educadores. Já houve denúncias de alunos que tentaram suicídio depois de participar do jogo.
Toda a escola fica sabendo. E, nesse movimento, professores e funcionários também. NOVA ESCOLA debateu o tema com educadores.
Uma lista com nomes de garotas “rodadas” circulou em uma escola. As meninas, humilhadas, passaram por um sofrimento sem tamanho dentro da sala de aula, da família e até da igreja. O caso também é uma situação de bullying e precisa de atenção.
Mudar hábitos, reconhecer limites, confiar nos colegas. Aprenda com três professores que viveram essas dores. 
Julgamos, negamos e minimizamos a angústia, fazendo com que os adolescentes se sintam ainda pior.
A série “13 Reasons why” (“Os 13 Porquês”) aborda os motivos que fizeram uma estudante tirar a própria vida e o que poderia ter sido feito para salvá-la. 
O seriado "13 Reasons Why" chamou a atenção para um problema difícil de identificar. 
A criação de uma campanha com fotos, música e até um remédio fictício ajudaram a conscientizar os alunos. 

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Cuidados básicos ao Iniciar uma Arte

Começar uma arte de modo correto é o primeiro passo para garantir a qualidade final do processo de impressão.

Imagine a seguinte situação: você dedica tempo e trabalho para desenvolver uma arte, e quando envia para gráfica descobre que ela não serve para realizar a sua impressão.

E agora sua única saída é desenvolver outra arte, desde o começo.

Para evitar esse tipo de situação, ao iniciar uma arte, você precisa ficar atento à 3 itens importantes.

Tamanho da página

O tamanho da sua página/artboard deve ser exatamente igual ao do impresso final desejado.

Por exemplo: se você quer um flyer 10x15cm, deixe o tamanho de sua página (Artboard) com exatos 10x15cm.

Sangras não devem ser consideradas no tamanho final da página. Na verdade elas devem ultrapassar a marca de corte. 

Resolução das imagens

O primeiro passo para garantir a qualidade dos materiais impressos é iniciar sua arte configurando a resolução em 300 dpi (pixel/inch).

Assim, a maioria das imagens importadas à área de trabalho normalmente já vão vir em tamanho real para 300 dpi.

Escala de Cores

Simples e direto: a escala de cor para impressão é a CMYK

Configurações ao Iniciar uma arte

Tanto no CorelDRAW quanto no Illustrator, você pode realizar as configurações necessárias (tamanho, resolução e escala de cores) logo na tela inicial de arquivo novo.

Veja abaixo um exemplo de como iniciar uma arte de tamanho 10x15cm:



Gabaritos

Para facilitar e agilizar o seu processo de iniciar uma arte, você pode utilizar modelos prontos conhecidos como gabaritos. Na internet você pode encontrar muitos modelos ou criar os seus e organizar uma coleção para trabalhos futuros.

Além dessas configurações iniciais de tamanho, resolução e cores, no gabarito você já pode prepará-lo com linhas guias representativas de sangras e margem interna, que é o próximo passo a se preocupar no desenvolvimento de sua arte.


Porque o uso de sacolas de papel pode beneficiar o seu negócio


Mais do que apenas proteger ou transportar as mercadorias, o tipo de embalagem que uma empresa usa está diretamente ligada à sua imagem. A cada dia, as sacolas de plástico se tornam grandemente malvistas pelas pessoas, e, consequentemente, as embalagens de papel vêm ganhando espaço no mercado.

De fato, sabemos que as sacolas de plástico vêm se tornando cada vez menos populares entre consumidores e lojistas, principalmente nos últimos anos, quando seu uso se tornou até mesmo proibido em algumas capitais do país. 

Diante desse cenário, as sacolas de papel podem mesmo ser uma ótima saída para o empreendedor que busca a qualidade do atendimento aos clientes, sem abrir mão de um preço baixo de investimento e de se manter ecologicamente correto.

Estimule a sua identidade visual

De modo geral, as sacolas de uma empresa estampam a sua marca. Afinal, quem nunca olhou para uma sacola e ficou interessado no seu design e no logotipo que exibe?

Quanto a isso, com as sacolas de papel as oportunidades para criar uma identidade visual excepcional e singular para o seu negócio são muito maiores! Isso graças à alta qualidade de impressão que o produto demonstra — o que permite que o empreendedor gere logotipos e desenhos com diversas cores e formatos.

Assim, além de oferecerem uma maior qualidade de material, elas dão um ar mais sério para a embalagem. Logo, o cliente tem maior probabilidade de utilizá-las em outras ocasiões da sua vida. E é sempre uma boa ideia ter pessoas andando por aí fazendo propaganda do seu negócio sem nenhum custo, certo?

Dê um gás na imagem da empresa

Empresas que são bem-sucedidas no mercado estão sempre de olho na repercussão de suas escolhas estratégicas. Nesse sentido, utilizar sacolas de papel agrega uma imagem positiva ao seu negócio, mostrando o quanto você se preocupa e valoriza o meio ambiente, assim como a qualidade de vida dos seus clientes.

Assim, a utilização de papel nas sacolas evidencia os valores que a marca se propõe a seguir — e, de quebra, comprova o cuidado e o papel que a companhia exerce na criação de um mundo melhor no futuro.
Potencialize o seu marketing

Hoje em dia, muito se fala no tal “marketing verde”; mas o que é isso, afinal? Nada mais do que a preocupação da empresa com a natureza, a vida futura e a saúde das pessoas — utilizada, todavia, dentro da sua estratégia de marketing.

Nesse caso, o setor de comunicação da empresa pode usar esses preceitos para lançar campanhas de conscientização sobre como consumir melhor e preservar a natureza, por exemplo.

Outra boa ideia é treinar os profissionais da empresa, como os vendedores e gerentes, para que eles possam fazer parte deste tipo de iniciativa, e motivar ações internamente.

E, é claro, as sacolas de papel ajudam na criação dessa imagem para o seu empreendimento, fato que também gerará propaganda positiva para o negócio.

Facilite a sua logística

As sacolas de papel podem ser grandes aliadas na hora de melhorar a logística da empresa. Isso porque, além de não ocuparem muito espaço, são leves — o que facilita seu manuseio e transporte.

De certo modo, a ideia conserva a boa logística que as sacolas de plástico oferecem. Mas é uma solução, nesse sentido, muito melhor do que as sacolas de pano ou caixas de papelão, por exemplo.

Ajude na sustentabilidade

Como sabemos, a degradação natural transformou as sacolas plásticas nos grandes vilões dos anos 2000, já que são feitas de derivados do petróleo, que levam séculos para serem processadas pelo meio ambiente.

Em contrapartida, as sacolas de papel são muito melhores para o meio ambiente do que as de plástico. Elas trazem bem menos resíduos e oxidantes fotoquímicos, que geram um impacto ambiental muito grande. 

De fato, estima-se que a natureza leve cerca de 18 meses para degradá-las. E também vale lembrar que, até a sua absorção total na natureza, as sacolas de papel usam um número menor de energia não renovável.

Enfim, não existiria a humanidade sem o ambiente natural, não é mesmo? Por isso, optar por itens que preservem o meio ambiente é sempre a escolha mais responsável!

Aproveite a possibilidade de reciclagem

Este é um tema que converge com o tópico anterior: por ser feito de material biodegradável, as sacolas de plástico podem ser recicladas e reutilizadas. Em 2007, aponta-se que as taxas de reciclagem das sacolas eram de 80%. E, desde então, esses índices vêm crescendo cada vez mais.

Ainda, outra finalidade para as sacolas de papel que não são mais utilizadas e estão indo para a reciclagem é o trituramento. O produto derivado segue para a mistura ao adubo e, assim, passa a ser aproveitado no cultivo de plantas ou alimentos. Nada melhor do que não desperdiçar, não é mesmo?

Diminua os custos da empresa

Obviamente, as sacolas de papel têm um custo diferente do das sacolas de plástico. Mas a boa notícia é que as coisas estão mudando: graças à popularidade do serviço, os preços das sacolas de papel vêm se tornando cada vez mais acessíveis.

E, como ela pode ser reutilizada, vários clientes poderão levar de casa algumas sacolas que pegaram anteriormente em seu estabelecimento — isso pode, inclusive, ser estimulado por meio de campanhas. Mais uma boa chance de reduzir as despesas do seu negócio!

Conquiste um importante diferencial de mercado

Quem não quer se destacar no mercado de vendas, não é mesmo? Com a decida personalização, as sacolas de papel de boa qualidade, podem ser uma característica exclusiva para as lojas. Por isso, investir nesse tipo de solução pode ajudar muito seu negócio.

De fato, com a limitação do uso de sacolas plásticas em várias cidades brasileiras, muitos negócios estão procurando novas alternativas para embalar seus produtos. Fique de olho: as sacolas de plástico estão sendo, dia a dia, cada vez menos usadas.

Em São Paulo, por exemplo, já vigora a Lei da Sacolinha, que proíbe a venda de sacolas plásticas em estabelecimentos comerciais. Alguns negócios optam, até, por não confiar nenhum tipo de sacola — apesar de a legislação asseverar que o local de comércio deva oferecer meios para o consumidor transportar suas compras. 

Mas, então, qual benefício esse cenário traz para o seu negócio? O ideal é encarar a proibição das sacolas de plástico como uma oportunidade para que seu negócio cresça e se destaque no mercado em que atua.

Apesar do investimento ainda ser um pouco maior, é preciso levar em conta o retorno que ele trará. As sacolas de papel transmitem uma ótima imagem da empresa e, com isso, há mais chances de que o cliente se fidelize e, até mesmo, faça o chamado marketing boca a boca da empresa. 

Enfim, elas são uma ótima artimanha para impactar os clientes e, consequentemente, aumentar seus lucros. Lembre-se: a preocupação com o meio ambiente e com a qualidade de vida do consumidor pode ser um diferencial na hora de se tornar uma empresa cada vez mais bem-sucedida. 


terça-feira, 11 de setembro de 2018

Prevenção do Suicídio é possível - Setembro Amarelo


Se outubro é o mês pela prevenção do câncer de mama, representado pela cor rosa, e novembro é pela prevenção de doenças masculinas, com a cor azul, em Setembro adotamos o Amarelo para colorir o movimento mundial para conscientizar a população sobre a realidade do suicídio e mostrar que existe prevenção em mais de 90% dos casos, segundo a Organização Mundial da Saúde. 

O suicídio é considerado um problema de saúde pública e mata 1 brasileiro a cada 45 minutos e 1 pessoa a cada 45 segundos em todo o mundo. Pelos números oficiais, são 32 brasileiros mortos por dia, taxa superior às vítimas da AIDS e da maioria dos tipos de câncer. Pelo menos o triplo de pessoas tentaram tirar a própria vida e outras chegaram a pensar em suicídio. Apesar de números tão alarmantes, o assunto ainda é tratado como tabu. Evita-se o assunto, o que só colabora para seu aumento dos casos, pois as pessoas muitas vezes não sabem que podem procurar ajuda.

Mas como buscar ajuda se sequer a pessoa sabe que ela pode ser ajudada e que o que ela passa naquele momento é mais comum do que se divulga e ela imagina? Ao mesmo tempo, como é possível oferecer ajuda a um amigo ou parente se também não sabemos identificar os sinais e muito menos temos familiaridade com a abordagem mais adequada?

O câncer, a AIDS e demais doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), há duas ou três décadas, eram rodeadas de tabus e viam o número de suas vítimas aumentando a olhos nus. Foi necessário o esforço coletivo, liderado por pessoas corajosas e organizações engajadas, para quebrar esses tabus, falando sobre o assunto, esclarecendo, conscientizando e estimulando a prevenção para reverter esse cenário. 

Por essa razão, o CVV – Centro de Valorização da Vida, uma entidade sem fins lucrativos que atua gratuitamente na prevenção do suicídio desde 1962, está engajada e promovendo atividades neste movimento iniciado há dois anos no Brasil, chamado Setembro Amarelo. A ideia é divulgar a causa intensamente durante o mês, já que no dia 10 é celebrado o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio, tendo como parte fundamental a iluminação ou coloração de amarelo de locais, construções ou monumentos e, ainda, a colocação de laços amarelos nas fachadas de prédios públicos e privados para lembrarmos que devemos, sim, falar sobre a prevenção do suicídio.

Em 2015, foram iluminados locais como o Cristo Redentor (RJ), o Congresso Nacional (DF), o estádio Beira Rio (RS), além outros locais que podem ser conhecidos no site (www.setembroamarelo.org.br) e na Fanpage (facebook.com/setembroamarelo). 

Todas as pessoas, empresas e instituições podem aderir à campanha Setembro Amarelo, com algumas medidas simples durante este mês, dentre as quais sugerimos:
  1. Colocação em sua fachada do laço amarelo, símbolo das campanhas de prevenção, e/ou iluminação do prédio com a cor amarela; 
  2. Fixação de cartazes da campanha “Falando Abertamente” em locais de circulação do prédio (material disponível aqui);
  3. Divulgação do banner da campanha em site institucional, incluindo link para o site do Setembro Amarelo;
  4. Divulgação da campanha em redes sociais ou páginas pessoais;
  5. Distribuição da cartilha “Falando Abertamente Sobre Suicídio”, elaborada pelo CVV – Centro de Valorização da Vida, disponível aqui (como opção, pode ser acompanhada de fita amarela para a roupa ou pulso, estimulando a adesão à campanha);
  6. Confecção e distribuição de faixas, camisetas, marcadores de página, folders, adesivo, etc (disponível aqui).
Todos que mandarem fotos de suas iniciativas para a Fanpage do Setembro Amarelo (https://www.facebook.com/setembroamarelo) poderão ver o material compartilhado no Facebook. Algumas dessas fotos serão enviados ao IASP, Associação Internacional de Prevenção do Suicídio, que vai reunir as principais ações ao redor do mundo. 

Junte-se à CVV e ajude a prevenir o suicídio, afinal, falar é a melhor opção!

Precisando conversar? Acesse www.cvv.org.br e veja as formas de atendimento disponíveis.


segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Descubra como ser mais produtivo: dicas simples que podem potencializar resultados


Em uma época em que nossa atenção é disputada o tempo todo, seja pela mídia tradicional ou pelas redes sociais, manter o foco no desenvolvimento dos projetos é tarefa complicada.

É comum programarmos um breve intervalo no trabalho, apenas para responder a uma mensagem rápida, mas acabarmos nos distraindo por muito mais tempo em meio a um turbilhão de abas, posts, links, vídeos, etc.

Como manter o foco no trabalho e ser mais produtivo?

Essa pergunta assola milhares de profissionais diariamente. E como na grande maioria dos casos, não há regras. É preciso que você entenda seu funcionamento e que a empresa para a qual você eventualmente trabalhe esteja aberta a formas alternativas de operação. Por exemplo, é possível que determinado funcionário se torne muito mais produtivo e concentrado durante a noite.

É claro que nem sempre será possível trabalhar em casa. Apesar da crescente mudança de paradigmas, algumas companhias são realmente conservadores em relação ao horário de trabalho e a outros aspectos que poderiam contribuir com a eficiência das suas equipes.

No entanto, sempre é possível agir! Se o cenário ideal parece algo inatingível, busque chegar o mais próximo dele que puder. Abaixo, seguem algumas dicas para você se tornar uma pessoa e um profissional mais eficiente. Avalie cada uma delas e descubra quais poderão ser incorporadas à sua rotina:

DIGITAL
  • Limite respostas de email a uma por minuto.
  • Se você não entende o que o email pergunta, não responda.
  • Desligue as notícias. Nada importante acontece na maioria do tempo.
  • Não responda ao telefone, a não ser que seja uma emergência real (emergências são raras).
  • CTRL – Use atalhos no teclado.
ROUPAS
  • Defina seu uniforme. Use-o diariamente.
  • Use tecidos inteligentes.
  • Carregue roupas para qualquer ocasião com você.
  • Descarte o que você parou de usar.
ATALHOS
  • Visualize seu produto final.
  • Comece antes de se sentir pronto, evite o “ovo ou a galinha”.
  • Assuma que você está certo, se tiver dúvida. Ser decisivo é produtivo.
  • Se você tiver um bloqueio mental, faça um mapa mental.
  • Se você não pode escrever algo , grave.
  • Quando você ler algo útil, escreva para o autor.
CORPO
  • Gerencie ansiedades – corra, nade, dance.
  • Durma mais. Você vai fazer mais.
  • Tire sonecas quando a energia estiver baixa.
HORÁRIO
  • Faça o mais fácil antes.
  • Priorize um item por dia.
  • Crie uma rotina diária.
  • Sem reuniões, a não ser que sejam decisivas.
  • Melhor feito que perfeito.
COMIDA
  • Rotinize sua dieta.
  • Como saudavelmente.
  • Peça delivery para ganhar tempo.
  • Negocie um combo diário com um restaurante confiável.
MENTE
  • Repare na regra 80/20. Quais 20% do trabalho produzem 80% do resultado.
  • Foque no que é importante. Suprima o que é urgente.
  • Decida o resultado antes de começar.
  • Comece um livro de “depósito de ideias” para ideias geniais que você não pode começar agora.
  • Elimine decisões triviais, como o que vestir.
  • Aprenda a ignorar. Você não precisa responder a tudo.
  • Faça um primeiro rascunho ruim. Você não pode editar uma página em branco.
  • Trate seu tempo como se fosse dinheiro.

domingo, 9 de setembro de 2018

Conheça o Desafio das 52 semanas e economize até R$6.890 em um ano


Juntar dinheiro é um desafio para muita gente. Por mais que você prometa que irá começar a fazer uma poupança, por que isso nunca acontece? É sobre isso que devemos refletir antes de começar a falar sobre o desafio.

A primeira coisa que você deve ter em mente é: o que te impede de aplicar uma determinada quantia na poupança todos os meses? Dividas? Liquidações “irresistíveis”? Gastos inesperados?

Reflita sobre isso e tente encontrar o real motivo que te impede de poupar. 

Agora vamos direto ao ponto: como economizar R$6.890 em um ano? Para alcançar esse resultado vamos usar a técnica do “Desafio das 52 Semanas“.

Esse desafio é bem simples, mas bastante eficaz para quem possuí dificuldade em poupar. Ele funciona da seguinte maneira:
  1. O desafio possuí a duração de 52 semanas.
  2. Você deverá se comprometer em colocar na sua poupança uma quantia de X reais durante todas as 52 semanas.
  3. Você pode começar com a quantia de R$1.
  4. Você não deverá contar com esse dinheiro até o fim do desafio.
  5. Você pode aumentar o valor semanal de acordo com o seu orçamento.
Agora veja o exemplo na tabela abaixo que mostra o que acontece com o seu dinheiro ao longo de 52 semanas.


Você pode dar início ao desafio quando desejar, mas precisa cumprir o total de 52 semanas para que dê certo. Isso quer dizer que, se eu começar meu desafio no dia 1º de Outubro de 2018, vou continuar até o dia 1º de Maio de 2019.

A planilha acima é um exemplo base, pois a partir dela você pode começar a fazer novos cálculos que se encaixem no seu orçamento.
  • Iniciando o desafio com R$1: total de R$1.378,00
  • Iniciando o desafio com R$2: total de R$2.756,00
  • Iniciando o desafio com R$3: total de R$4.134,00
  • Iniciando o desafio com R$4: total de R$5.512,00
  • Iniciando o desafio com R$5: total de R$6.890,00
Seguindo a lógica, se você se comprometer em começar seu desafio com a quantia acumulada semanalmente no valor de R$5,00, ao longo de 52 semanas você chega no valor de R$6.890,00!

É importante ressaltar que você deve conhecer bem o seu orçamento para definir qual será o valor poupado semanalmente. Se você optar por começar seu desafio em R$5,00 acumulados semanalmente, você também deve ter em mente o seguinte:

1º semana = R$5,00
2º semana = R$10,00
3º semana = R$15,00
52º semana = R$260,00

Ou seja, na última semana você estará desembolsando R$260,00 para o desafio.

Para facilitar os cálculos, segue uma planilha que irá te mostrar quanto exatamente deverá ser poupado a cada semana e o valor acumulado no total.

A planilha está ajustada com o valor de R$1, mas ela é automatizada para calcular para você os demais valores. Tudo que você precisa fazer é mudar o “valor inicial” que fica à direta, logo após o colchete.

A planilha possuí melhor desempenho no computador, se você usa o celular, certifique-se de ter o aplicativo do Excel ou você pode carregá-la no google drive que irá funcionar perfeitamente.


Agora que você já sabe tudo sobre o desafio das 52 semanas, que tal começar a colocar em prática? Estipule a sua meta e comece hoje mesmo a poupar. Depois comente aqui os resultados, ok?