Gráfica e Editora Moura Ramos: livros, revistas, embalagens, sacolas, agendas e impressos em geral.: Quando é a hora de criar e quando é a de produzir? Google+

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Quando é a hora de criar e quando é a de produzir?



Criatividade ou produtividade? As duas, cada uma em sua hora.

Ainda na década de 50, o psicólogo americano Joy Paul Guilford publicou um estudo em que dividiu a inteligência humana em algumas dimensões e, cada uma delas, em algumas operações. Para nós, agora neste post, o que interessa são duas dessas operações: a Produção Divergente, ou seja, nossa habilidade de pensar diferentes soluções para um dado problema (Criatividade); e a Produção Convergente, outra habilidade de focar em uma única solução para o problema (Produtividade).

Ou seja, todos nós temos momentos em que pensamos longe, deixamos o cérebro divagar em soluções absurdas (ou não) para um determinado tema – “qual será minha próxima startup? Vou explorar o mercado de drones para a terceira idade ou montar um bot pessoal para ligar para bots de call center?” –, mas, ao mesmo tempo, nos preocupamos com problemas do dia a dia – “Caceta, será que deixei a picanha fora da geladeira?”.

Trazendo para o nosso ambiente de trabalho, moderno, sem paredes, escritórios amplos, cheios de distrações, ficamos mais expostos e dispostos à Produção Divergente – viajando na maionese – do que focados em alguma solução já escolhida para resolver determinado problema, ou a Produção Convergente. Imagino, então, os escritórios à la Vale do “Silicone”, com suas mesas de ping-pong, máquinas de refrigerantes, salão de beleza, jardins pet friendly. É tanta coisa, que falta tempo pra trabalhar, imagino.

O ideal, então, seria reservar o tempo adequado para cada tipo de produção. Mesmo os criativos, desenhistas, publicipólipos em geral. Deixar o pensamento voar por “soluções absurdas” para uma nova campanha de sabão em barra pode trazer uma linda peça às revistas e jornais. Mas, logo depois de escolhida a solução, é preciso suar a camisa. Desenhar, finalizar, aprovar, fazer de novo, mudar o que o cliente pediu mil e quinhentas vezes, voltar à versão original, falar que foi ideia do cliente, orçar, publicar, medir, reportar, prospectar o próximo job e por aí vai. É preciso muito foco em uma só solução. Uma de cada vez.

Cada profissão, ou cada projeto em que você se envolver, vai necessitar mais ou menos de cada um dos dois tipos de pensamento. Acredito que a disciplina para agendar ou formalizar as tarefas ajuda muito a não deixar um tipo de pensamento passar por cima do outro, diminuindo a produtividade e suas conquistas com o tempo. Use a tecnologia e as desculpas educadas a seu favor.

Quando estiver focado em algo em seu computador, saiba se esquivar de um colega curioso com um simples “podemos falar sobre isso daqui a pouco?”. E, quando estiver pensando em ideias para a campanha de sabão em barras, aceite o desafio do japonês para o ping-pong. Relaxa! É trabalho do mesmo jeito.

Fonte: Post escrito por Franklin Valadares, CTO e co-fundador do Runrun.it, originalmente publicado no Linkedin.