Gráfica e Editora Moura Ramos: livros, revistas, embalagens, sacolas, agendas e impressos em geral.: Atletismo nos Jogos Paralímpicos Google+

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Atletismo nos Jogos Paralímpicos

Amanhã iniciam-se os Jogos Paralímpicos (7 a 18 Set, 2016) no Brasil
História

O atletismo faz parte do programa dos Jogos Paraolímpicos desde a primeira edição, em Roma-1960. Mas foi apenas em 1984 que o Brasil conquistou as primeiras medalhas na modalidade, em Nova Iorque (EUA) e em Stoke Mandeville (Inglaterra). Naquele ano, o país faturou seis medalhas de ouro, 12 de prata e três de bronze no atletismo. No total, o país já faturou 109 medalhas em Jogos Paraolímpicos, das quais 32 foram de ouro, 47 de prata e 30 de bronze.

Alan Fonteles é um dos atletas do Brasil que já brilhou em Jogos Paraolímpicos, tendo conquistado o ouro em Londres-2012

Após diversos pódios nos Jogos, o atletismo brasileiro passou a brilhar com mais força a partir de 2004, com os Jogos Paraolímpicos de Atenas (16 medalhas). Em 2007, os Jogos Parapan-Americanos do Rio de Janeiro foram outro marco no esporte, quando a delegação nacional conquistou 73 medalhas apenas no atletismo, sendo 25 de ouro, 27 de prata e 21 de bronze, terminando com o primeiro lugar geral.

As provas

O atletismo paraolímpico é praticado por atletas com deficiência física ou visual. Há provas de corrida, saltos, lançamentos e arremessos, tanto no feminino quanto no masculino. Os competidores são divididos em grupos de acordo com o grau de deficiência constatado pela classificação funcional.

Nas corridas, os atletas com deficiência visual mais alta podem ser acompanhados por guias, ligados a eles por uma corda. Já entre os deficientes físicos, há corridas com o uso de próteses ou em cadeiras de rodas.

Classificação
  • F – Field (campo): provas de arremesso, lançamentos e saltos
  • F11 a F13: deficientes visuais
  • F20: deficientes mentais
  • F31 a F38: paralisados cerebrais (31 a 34 para cadeirantes; 35 a 38 para ambulantes)
  • F40: anões
  • F41 a F46: amputados e outros (les autres)
  • F51 a F58: cadeirantes (sequelas de poliomielite, lesões medulares e amputações)
  • T – Track (pista): provas de corrida (velocidade e fundo)
  • T11 a T13: deficientes visuais
  • T20: deficientes mentais
  • T31 a T38: paralisados cerebrais (31 a 34 para cadeirantes; 35 a 38 para ambulantes)
  • T41 a T46: amputados e outros (les autres)
  • T51 a T54: cadeirantes (sequelas de poliomielite, lesões medulares e amputações)
Curiosidades - Os olhos dos cegos

O atleta-guia tem a função de ser os olhos dos competidores que não podem enxergar ou têm limitações severas. Ligados por uma cordinha, o guia, no entanto, deve apenas orientar a direção da corrida do atleta, sem puxá-lo, sob pena de desclassificação. Apesar de treinarem sempre juntos e de se ajudarem também nos bastidores das competições, o guia só passou a subir ao pódio e a receber medalha a partir dos Jogos Parapan-Americanos de Guadalajara-2011.