Gráfica e Editora Moura Ramos: livros, revistas, embalagens, sacolas, agendas e impressos em geral.: Entenda a diferença entre PANTONE C e PANTONE U Google+

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Entenda a diferença entre PANTONE C e PANTONE U


Você já ouviu falar em PANTONE C e PANTONE U? Acredite se quiser, mas essas duas letrinhas podem fazer toda a diferença no seu projeto gráfico. Saiba a diferença entre elas e como aplicar corretamente as cores em seu layout.

Você alguma vez já teve a chance de fazer um projeto gráfico utilizando uma cor especial? Se sim, sabe o quanto pode ser prazeroso escolher a cor na escala de cores da PANTONE. Entre centenas de tintas maravilhosas, incluindo neon e metálicas, existem códigos muito estranhos de cor e duas letrinhas que podem fazer toda a diferença no resultado do seu projeto: a letra U e a letra C no catálogo de cores PANTONE.


O grande culpado nisso é o papel

O processo começa com a escolha do suporte onde sua tinta será impressa, ou seja, o objeto em que será feita a impressão. O comportamento da cor muda muito dependendo dos tipos de papel, tecidos ou plásticos (ainda que a tinta seja a mesma).

Por exemplo, se você escolher um vermelho e aplicar o mesmo pigmento sobre um papel fosco e poroso, a forma de absorção da tinta pelo papel acontecerá de forma diferente do que dela aplicada sobre um papel mais liso. Veja a diferença dos mesmos códigos de azul quando aplicados sobre uma superfície de classificação C e em um outro papel de classificação U:


Essa escolha da superfície faz tanta diferença que a PANTONE criou um color guides (guias de cor) para designers gráficos que trabalham com papéis, para aqueles que trabalham com indústria têxtil, para aplicações em superfícies plásticas, embalagens e até um guia de tons de pele para a indústria de cosméticos.

O que essas letras significam?

Falando em papéis, existe um processo chamado de revestimento, que é uma combinação química que faz com que o papel produzido saia já de fábrica com uma espécie de camada protetora por cima da folha, ou simplesmente uma espécie de verniz nele.

Apesar de não ter nada de verniz, a sensação é de que o papel tem um camada especial, o que faz dele um papel revestido, ou em inglês, coated, o que explica o uso da letra C no guia da PANTONE.

Já o papel que não passou por este processo especial de revestimento, é chamado uncoated, ou “não revestido”, por isso é utilizado a letra U no código PMS de cor (Pantone Matching System).


Um exemplo fácil para entender o que é um papel coated e uncoated é pensar no favorito dos designers: o papel Couché. Ele nada mais é do que um papel Offset, só que passado por um processo químico especial que faz com que ele ganhe um revestimento, dando a ele uma textura ainda mais lisa, brilhosa ou matte.

O revestimento faz com que as cores fiquem mais “vivas”, pois o pigmento da tinta seca sobre o revestimento e não sofre tanto com a absorção pelas fibras do papel, como acontece com o uncoated.


Como aplicar isso no meu trabalho?

Muitos designers ficam em dúvida de como isso afeta, por exemplo, um manual de identidade visual. Em alguns casos em que a mudança do comportamento da cor é muito forte, você pode indicar um código PMS C para papéis revestidos e outro PMS U para papéis não revestidos, desse modo mesmo que as tintas sejam diferentes, o resultado da visualização da cor será parecido.

Isso não acontece somente com tintas especiais da PANTONE, mas com qualquer pigmento transparente, ou seja, qualquer uma das cores primárias do nosso sistema CMYK de impressão, então é importante sempre estar de olho nesse detalhe caso trabalhe com um projeto impresso. Observe esse exemplo de como as cores mudam de acordo com o papel:


É claro que esse é um assunto extenso, mas essas foram algumas dicas básicas para te ajudar em seus projetos com impressos.