Gráfica e Editora Moura Ramos: livros, revistas, embalagens, sacolas, agendas e impressos em geral.: Os sete pecados capitais de todo empreendedor Google+

sábado, 14 de abril de 2018

Os sete pecados capitais de todo empreendedor


Hoje iremos conferir este excelente artigo do pessoal Viver de Blog sobre os 7 pecados capitais de todo e qualquer empreendedor iniciante: Gula. Avareza. Luxúria. Ira. Inveja. Preguiça. Vaidade.

Confira a seguir:

Nesse conteúdo eu não vou falar sobre esses 7 conhecidos pecados capitais da vida pessoal.

Hoje, você verá os 7 pecados capitais que todo empreendedor iniciante comete na jornada profissional.

Sim, eu cometi todos eles em quase uma década construindo minha presença e autoridade na internet.

O meu objetivo é mostrar uma rua já pavimentada para que você não tenha que reinventar a roda e construir todo o seu caminho do zero.

Leia esse texto como um guia. Como um seguro.

Em caso de emergência quebre o vidro e use as 7 lições que aprendi na marra cometendo esses 7 pecados capitais.

Agora vamos voltar o relógio para você pegar carona nas cicatrizes colecionadas ao longo dessa jornada como empreendedor.

Pecado #1: Não Criar Conteúdos com Consistência.
  • Com mais de 3.8 bilhões de pessoas usando a internet…
  • Com 1.3 bilhão de sites criados…
  • Com 5.4 bilhões de pesquisa todos os dias no Google…
  • Com 6.1 bilhões de vídeos visualizados no Youtube…
  • E mais de 2 bilhões de usuários ativos no Facebook…
Você pode imaginar que a competição por atenção na internet é muito acirrada.

Porém, esse pensamento é como o copo de água pela metade:

Ele está metade cheio ou metade vazio?

Depende de como você enxerga…

Hoje em dia você não precisa da permissão das grandes mídias, como emissoras de TV e Rádio, para atingir seu público com conteúdos personalizados.

Tudo o que você precisa já está em suas mãos.

Por meio de um blog, uma lista de email e redes sociais populares como Facebook, Youtube e Instagram, você tem a garantia de que seu público está ali presente.

E seu trabalho agora é criar conteúdos memoráveis para eles.

Sabe… o conteúdo que você cria é com uma feixe de luz no meio da escuridão.

O passo a seguir é muito simples:
Você criar conteúdos, você ganha visibilidade.
Com mais visibilidade, você se torna referência, autoridade.
Com mais autoridade, você consegue vender muito mais facilmente seus produtos e serviços.

Agora… produzir conteúdos de qualidade e gerar valor para sua audiência requer consistência.

Pois da mesma forma que sua audiência descobriu você pela iluminação dos conteúdos, ela pode esquecer você nas profundezas da escuridão no momento que você parar completamente de gerar valor para eles.

Vamos ver esse exemplo pessoal:

Em 2015, o Viver de Blog ficou sem novas publicações por 2 meses.

O resultado?

Dá uma olhada nesse gráfico:


Uma queda brutal no número de sessões no blog.

Esse foi um aprendizado muito importante, pois eu não imaginava que a perda seria tão dolorosa como foi.

E a recuperação após esse período se provou ainda mais difícil.

Imagine que você tenha 100 mil reais investidos e você perde 50% desse valor, ficando somente com 50 mil.

Qual o percentual você precisa ganhar para recuperar o seu dinheiro?

Se você respondeu 50%, veja que metade de 50 mil é 25 mil.

Ainda faltam outros 25 mil para chegar no valor total.

A resposta correta é 100%.

Ou seja, você precisa dobrar seus resultados.

Ao criar conteúdos, a realidade é semelhante.

Você desce de elevador quando perde consistência.

Mas sobe de escada para ganhar novamente a atenção da sua audiência.

É por esse motivo que eu reforço conceitos como o calendário editorial de postagens: uma sequência clara de quando, o que e como você posta conteúdos em diversas mídias.

Mesmo se você acreditar que sua audiência ainda é pequena, mantenha a consistência a todo custo.

Os resultados vão aparecer e daqui a 6 meses você vai me agradecer por ter lido essa lição hoje.

Pecado #2: Criar e Vender 1 Único Produto ao Longo de Vários Anos.

Empreendedores experientes sabem que seu faturamento aumenta drasticamente quando você vende novos produtos para clientes antigos.

A lógica é simples:

Segundo Philip Kotler, o custo de aquisição de um novo cliente é 5 a 7 vezes mais caro em relação ao custo de aquisição para uma base já existente de clientes.

Logo, se você tem apenas um produto ou um serviço para oferecer, você está gastando, em média, 5 a 7 vezes mais tempo e dinheiro para crescer.

Quem já fez uso, pelo menos uma vez, de um upsell sabe o que estou falando.

Fazer uma segunda oferta logo após a compra do primeiro produto/serviço tem uma conversão média de 20%.

Em nossos lançamentos, nós conseguimos uma taxa média de 28.11% para o primeiro upsell e 28,85% para o segundo upsell.

Portanto, se você vende apenas um produto ou serviço para sua audiência, você não aproveita o poder do upsell (compra seguida de nova oferta) e docross-sell(nova oferta de um produto semelhante ao já adquirido).

Por muito tempo eu acreditava que ter um único produto era importante para ter foco.

Porém, você não deve ficar preso à maneira que você começou a gerar receita com seu negócio.

Desenvolver uma esteira de produtos é o que irá garantir uma lucratividade muito maior para sua empresa com menos esforço na aquisição de clientes.

Essa esteira de produtos nada mais é do que você desenhar a jornada de comprado seu cliente.

Acompanhe esse exemplo:

Se ele comprou um treinamento sobre exercício físico, você deve se perguntar:

Como eu posso ajudar ele nessa transformação oferecendo um novo produto ou serviço?:
  • Suplementos?
  • Ebook de receitas?
  • Coaching Online?
  • Aplicativo de treino?
  • Software que mede seu treino?
  • Curso de Mindset vencedor?
  • Exercícios de Cardio?
E para ficar claro:

Você não deve criar todos os produtos e serviços da sua esteira numa tacada só.

Aí sim você cometeria outro pecado, que é a falta de foco.

O ideal é você montar progressivamente esse caminho.

Comece com 2 ofertas e, com o tempo, vá crescendo para ter cinco, sete, dez…

Até o ponto em que você consiga atender muito bem todos os pontos de necessidade do seu cliente.

E consiga usar todo o poder do marketing para vender novos produtos para clientes antigos.

Essa é a visão da pirâmide com 3 categorias essenciais e o logo dos nossos produtos e serviços que oferecemos em cada uma delas:


Pecado #3: Querer Fazer Tudo Sozinho (O Mito do Empreendedor).

No início da jornada como empreendedor, a gente tende a achar que sabe fazer tudo sozinho, principalmente quando estamos dando os primeiros passos.

Se você é homem então… sabe do que eu estou falando.
Você está perdido, mas prefere se virar sozinho do que perguntar o caminho…
Você está sentindo dor, mas prefere ficar calado e se curar sozinho…
Você está com um problema pessoal, mas prefere não se abrir porque esse tipo de conversa é pra pessoas emocionais demais…

Se você é mulher deve estar balançando a cabeça agora lembrando de uma ocasião que aconteceu justamente isso com o homem na sua vida.

Agora… se tratando de negócios, querer fazer tudo sozinho pode trazer um problema invisível pra você.

Uma pedra desconfortável no seu sapato.

Consequências como:
  • Sobrecarga de trabalho. Mais stress na sua vida.
  • Desenvolvimento de habilidades que não geram crescimento rápido para sua empresa.
  • Tempo perdido com o aprendizado de tarefas que você irá executar apenas uma única no trabalho.
Então, você demora demais para contratar pessoas para te ajudar na empresa.

Demora essa que está ligada à diversos pensamentos (limitantes) como:
  • “Eu faço mais rápido, então faço sozinho mesmo”.
  • “Eu faço melhor, então faço sozinho mesmo”.
  • “Eu gosto de fazer essa tarefa, então faço sozinho mesmo”.
  • “Não confio em alguém para fazer isso, então faço sozinho mesmo”.
  • “Demora muito tempo pra explicar a tarefa, então faço sozinho mesmo”.
  • “Eu vou ter que conferir a entrega da tarefa, então faço sozinho mesmo”.
  • “Eu nem sei como fazer a tarefa, como vou delegar pra alguém?”
  • “Eu tenho medo de não ter dinheiro para conseguir pagar essa pessoa.”
  • “Eu não quero ferir os sentimentos de outra pessoa precisando demitir ela no futuro.”
Você se identificou com algum desses pensamentos?

A lista poderia crescer e crescer… mas você entendeu.

Quanto mais tempo você demorar para delegar uma tarefa que não é prioridade para você na sua empresa, mais tempo você irá demorar para crescer.


Ok Henrique, mas o que deveria ser uma prioridade para mim na empresa?

Seguinte: olhe para as tarefas que você faz hoje.

Faça numa planilha (ou papel) as 4 seguintes colunas:

Descrição da Tarefa.
  • O quanto eu gosto de fazer essa tarefa?
  • O quanto essa tarefa é importante para o crescimento da empresa?
  • O quanto eu sou bom em fazer essa tarefa?
Dê uma nota de 1 a 4 para cada uma dessas três perguntas.

Some tudo e veja quais são as tarefas com menor nota.

Essas são as tarefas que você deveria delegar pra ontem.

Já as tarefas com maior nota, você não deveria delegar. Pelo menos, não tão cedo.

Pecado #4: Ignorar a Diferença Entre Estar Ocupado e Ser Produtivo.

Foco é saber dizer não.

Saber dizer não é abdicar.

Abdicar é perder.

E perder é ganhar.

Parece contra-intuitivo, mas se você tem prioridadeS no seu dia, você não tem uma prioridade.

Não existe plural em prioridade.
  • Demorar a entender isso me fez passar um bom tempo ocupado, mas não necessariamente produzindo.
  • Eu corria atrás de tarefas que nunca viram a luz do dia.
  • Eu queria pintar o telhado antes de ter o alicerce da casa pronto.
  • Eu fazia reunião para rever o que foi discutido na reunião anterior.
Como você pode ver eu sofria da síndrome do falso trabalho.

Aquela impressão de que você está correndo para chegar mais rápido ao seu objetivo, mas sem a direção correta.

É melhor caminhar para o destino certo do que correr para o destino errado.

Hoje, quando em dúvida, lembro do conceito de Pareto.

Pareto foi um economista italiano que percebeu que 80% das terras na Itália pertenciam a 20% da população.

Daí nasceu o princípio de Pareto, também conhecido como a regra 80/20.

80% dos efeitos vem de 20% de suas causas.

Então eu te pergunto:

Quais são os 20% das suas tarefas que você precisa trabalhar para gerar 80% dos seus resultados?

Ou…

Quais são as frutas mais próximas do pé que você deve pegar e saborear?

Lembre-se:

As frutas mais próximas são as mais gostosas, assim como as mais maduras.

Já as frutas no topo são mais difíceis de pegar e nem sempre valem todo o trabalho.

Quando você dispersa seu tempo e energia com várias tarefas e objetivos é isso o que acontece:


Você se torna uma pessoa não essencialista. Dispersando energia para tudo quanto é lado e não avança muito para lugar algum.

Mas com foco e sabendo dizer não para o que não é prioridade, o resultado pode ser muito diferente. O essencialismo colocar sua energia como um raio-laser na direção correta.

Pecado #5: Acreditar que o que te levou até aqui vai te levar para o próximo nível.

Esse pecado é como uma flecha que te pega de surpresa e atravessa o peito direto no coração.

Você já ouviu essa frase ou até disse pra si mesmo:

“Caramba… eu faço tudo certinho como foi ensinado há anos, e mesmo assim não consigo ver resultados melhores…”

Ou então:

“Por mais que eu me esforce, coloque mais horas de trabalho, eu não vejo os resultados melhorarem. Parece que cheguei num platô, no topo. E não há mais espaço para crescer…”

Isso acontece com todos nós. Diversas vezes na vida.

Sabe… durante um bom tempo eu acreditava que minha grande habilidade era criar um blog incrível.

Porém, o tempo me mostrou claramente que, embora eu saiba fazer isso muito bem, minha maior habilidade não era essa…

Pelo que escuto de feedback nas imersões que faço, nos grupos de mastermind que participo e nas minhas turmas de mentoria, essa habilidade é transformar ruídos caóticos em informações organizadas, fáceis e simples de entender.

Foi assim que fiz com meu primeiro blog sobre finanças e investimentos.

É assim que faço hoje com marketing digital e gestão de equipes home-office.

A produção de conteúdos memoráveis que transformam o complexo no simples.

O ruído na informação.

O blog era uma mídia de comunicação onde eu propagava esse conhecimento.

Assim como uma lista de email é uma mídia que você tem controle (um terreno próprio).

Assim como as mídias sociais são… uma mídia (um terreno alugado).

Ter a clareza desse simples fato (olhando para trás é sempre mais fácil), me deixou mais livre para produzir conteúdos mais amplos para diversos canais que temos hoje, como:
  • Email (terreno próprio)
  • Blog (terreno próprio)
  • Podcast (terreno próprio)
  • Facebook (terreno alugado)
  • Instagram (terreno alugado)
  • Youtube (terreno alugado)
  • Web Push Notification (terreno alternativo)
  • Chat Bot (terreno alternativo)
  • Lista de Transmissão no Whatsapp (terreno alternativo)

E isso deu uma nova “cara” para o nosso negócio, permitindo falar com públicos bem mais amplos do que antes estávamos “restritos”.

Eu poderia dar vários outros exemplos completos aqui sobre esses pontos de virada.

Esses momentos únicos em que você decide seguir um caminho nunca antes trilhado por você.
  • O seu primeiro vídeo publicado.
  • O seu primeiro curso lançado.
  • A sua primeira aula ao vivo.
  • A sua primeira palestra.
  • O seu primeiro evento ao vivo.
  • O seu primeiro grupo de mentoria.
São esses momentos que dão um frio na barriga que fazem a gente crescer.

São esses momentos de incerteza que fazem a gente superar limites antes não imaginados.

São esses momentos de intuição que nos levam para um caminho mais próximo da nossa essência, que nos fazem encaixar mais uma peça no quebra-cabeça da vida.

Afinal, “se você não está crescendo, você está morrendo.” – Tony Robbins

Pecado #6: Seguir o Caminho do Lobo Solitário.

Muita gente diz que o caminho do empreendedorismo é solitário.

E em parte isso é verdade.

É verdade porque nesse caminho você geralmente encontra mais dedos apontados do que ombros de apoio confortáveis.

Como bem retratado nesse trecho adaptado de uma postagem do Flávio Augusto da Geração de Valor:
  • Tudo menos apoio.
  • Serás uma decepção para muitos.
  • Outros vão rir de você.
  • Vão te comparar com aquele primo do concurso público.
  • Alguns terão pena de ti.
  • Sonhador é eufemismo pra otário.
  • Deixarás de ser um bom partido.
  • Vão aparecer um monte de parentes conselheiros.
  • Vão te marcar em posts com mensagens medíocres.
  • As indiretas vão aumentar em reuniões de família.
  • E o que acontece depois?
  • 90% desistem por não suportarem a pressão e retornam para a manada.
  • Dos que avançam bravamente, muitos ainda não estavam preparados e fracassam.
  • Dos que fracassam, vão ter que conviver com os profetas do passado e ouvirem todos os dias: “eu te disse, eu te disse”, “não te falei?”
  • Vão haver dias que vás chorar sozinho.
  • Muitos desistem.
Mas esse caminho não precisa ser assim. Afinal:
  • Terás novas ideias. Elas vão lhe perseguir. Tu enxergas o mundo diferente.
  • Chegarás a conclusão que é necessário te preparares melhor.
  • Vais estudar e pesquisar por conta própria.
  • Alguns amigos vão te chamar de coxinha.
  • Todas as críticas funcionarão para ti como um combustível. Por isso, trabalhas muito.
  • Num dado momento, tu começas a vender teu produto.
  • O dinheiro começa a entrar.
  • Tua confiança aumenta.
  • O entusiasmo te contagia.
  • Tu aprendes e percebes que é possível.
  • Passam dois anos e teu negócio ganhou corpo.
  • Tu não te acomodas e continua estudando por conta própria e trabalhando bastante.
  • Os parentes observam de longe.
  • Com tua prosperidade, alguns amigos pensam que tu agora és um traficante, só pode.
  • Quando te mudas pro teu apê te chamam de esnobe.
  • Quando chegares de carro pra visitar a família viras assunto dos vizinhos.
  • Teu reconhecimento no mercado virá de pessoas que não te conhecem.
  • Neste momento ganhas mais do que todos os teus amigos e parentes.
  • Mais um ano e começam a perceberem que teu sucesso é uma realidade.
  • Vão começar a puxar o teu saco.
  • Teus amigos da zueira vão te pedir emprego.
  • Teus pais ficarão orgulhosos.
No final, muitos vão dizer que tiveste sorte. Nada mais do que isso. Apenas sorte.

Eu disse que esse caminho de “Lobo Solitário” é verdade em parte porque existem outros loucos, outros desajustados, outros sonhadores que também estão percorrendo esse caminho.

E de vez em quando eles se reunem, se juntam para trocar ideias e colocam seu ego de lado para pedir ajuda em grandes desafios.

Eu fiquei praticamente dois anos sem qualquer tipo de comunicação com outros players do mercado.

Porém, essa história mudou rapidamente:
  • Hoje, eu faço parte de 4 grupos de Mastermind (incluindo o meu próprio).
  • Hoje, eu frequento eventos gigantes palestrando, como foi o último RD Summit com mais de 7.000 pessoas.
  • Hoje, eu participo de imersões de conhecimento fechadas para afiar meu machado.
  • Hoje, eu tenho 5 grupos de mentoria onde já pude acompanhar mais de 80 mentorados ao longo de seis meses.

Mesmo sendo uma pessoa introspectiva, ficou claro com o tempo que o poder do grupo é fundamental para nosso crescimento como empreendedor.

Encontrar sua tribo e participar de grupos permite que você esteja sempre caminhando com os grandes e em locais cada vez mais elevados.

Afinal, se você está andando na rua e cair na calçada, sem problemas. Você se levanta sozinho e continua seu caminho.
  • Porém, se você está atravessando 2 prédios de cem metros de altura, a queda pode ser fatal.
  • O grupo é como uma rede de apoio que te levanta quando você cai das alturas.
  • O grupo é como um time de futebol, em que cada jogador tem sua especialidade e, somente em conjunto, eles vencem campeonatos.
  • O grupo é como um conselho de mestres onde a experiência vem de resultados comprovados e não de teorias abertas não testadas.
Se você ainda não faz parte de um, procure um para crescer mais rápido como profissional.

Pecado #7: Gastar Dinheiro Inconsciente e Não Reinvestir Forte na Empresa.

Negócios são como matemática.

Lucro = Receitas – Despesas.

A conta precisa fechar.

Porém, quando você começa a ter uma base de clientes e receber pelo seu trabalho, algo interessante acontece.

A tendência é você tenha uma alta margem de lucro no início, já que sua empresa é bem enxuta.

Inclusive, ela pode ser uma “eupresa” sendo somente você.

Ou seja, não há custos elevados com equipe, softwares, imposto de renda, etc. Logo, sobra mais dinheiro no bolso da empresa.

Veja bem, no bolso da empresa. Não no seu bolso.

O que você faz então?

Saca boa parte desse dinheiro.

Afinal, você merece uma premiação pelos finais de semana trabalhados, pelo tempo abdicado para criar esse produto ou serviço…

E então aquela viagem dos sonhos começa a se tornar uma realidade.

Você perde um dos melhores momentos da sua empresa para reinvestir o dinheiro e gasta a grana pessoalmente.

Quando você precisar crescer a empresa, contratando novos colaboradores, investindo mais em anúncios, pagando mais imposto de renda (a mordida do leão fica cada vez maior), você não tem a reserva financeira necessária.

Mais importante do que isso:
  • Quando você vê a oportunidade de estar num grupo de alto nível com outros empreendedores…
  • Quando você tem a oportunidade de fechar novas parcerias participando de eventos ao vivo….
  • Quando você tem a oportunidade de investir em cursos e treinamentos que vão acelerar seu crescimento…
Você simplesmente não tem essa grana porque gastou dezenas de milhares numa viagem para o Caribe.

Mas Henrique… Então você nunca viaja?

Só guarda dinheiro para a empresa?

É claro que viajo.

Porém, hoje eu tenho mais consciência para saber o melhor momento para viajar e relaxar.