Gráfica e Editora Moura Ramos: livros, revistas, embalagens, sacolas, agendas e impressos em geral.: 19 de Setembro - Dia de São Geraldo Google+

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

19 de Setembro - Dia de São Geraldo

1726 - 1755
Geraldo nasceu em 1726 em Muro Lucano, lugar pequeno do sul da Itália. Teve a sorte de ter uma piedosa mãe, Benedetta, que o fez conhecer o amor infinito e misericordioso de Deus. Sentia-se feliz porque estava junto de Deus.
Geraldo tinha doze anos quando seu pai morreu e ele se tornou assim o apoio da família.
Entrou como o aprendiz de alfaiate, onde o substituto do professor o maltratava e chegava a bater nele. Depois de quatro anos de aprendizagem e justamente no momento em que podia começar a trabalhar como alfaiate, disse que ia trabalhar como criado do bispo de Lacedônia.
Os amigos o aconselharam que não aceitasse este trabalho porque os momentos raivosos e os maus tratos que recebiam do irascível prelado, eles como criados, viam-se forçados a abandonar o emprego em poucas semanas. Mas isto não foi suficiente fazer Geraldo desistir. Durante três anos se ocupou de tudo e permaneceu aí até a morte do bispo.
Durante muito tempo, Geraldo acreditou que assim cumpria a vontade de Deus e por isso aceitou tudo. Os maus tratos do alfaiate, e assim como ser considerado uma nulidade pelo bispo, não importava nada para ele, via o sofrimento como parte integrante do seguimento de Cristo. "Sua Excelência me quer bem", dizia. Desde então, Geraldo passava longas horas diante do Santíssimo Sacramento, o mistério do Senhor crucificado e ressuscitado.
Em 1745, aos 19 anos, voltou para Muro, onde começou a exercer por conta própria o ofício de alfaiate. O negócio ia bem, mas ele não juntou muito dinheiro. Praticamente ele dava tudo. Punha à parte separado o necessário para a mãe para a irmã, e o resto dava para os pobres, ou simplesmente o usava para mandar celebrar missas para as almas do purgatório.
Não houve uma súbita nem uma conversão espetacular em Geraldo. Foi um processo normal e constante de um crescimento no amor de Deus.
Na Quaresma de 1747 decide se assemelhar o mais possível a Jesus Cristo. Entregou-se às penitências mais severas, e procurou as humilhações passando por louco e estando contente de que os outros se rissem dele.
Quis servir totalmente o Senhor, e pediu para ser capuchinho; mas não foi aceito. Aos 21 anos tentou viver uma vida eremítica. Desejava chegar a assemelhar-se inteiramente a Cristo até o ponto de aceitar com alegria o ser protagonista da Paixão, como imagem viva de Cristo, na Catedral de Muro.
Conheceu os redentoristas e pediu então para entrar entre eles; mas recebeu uma recusa também por causa de seu estado precário de saúde. Porém, continuou insistindo até que o Padre Paulo Cáfaro o aceitou, mas isto não sem uma certa dificuldade, enviando-o para o noviciado em Iliceto, em 1749, com um bilhete no qual dizia: "Eu envio um irmão inútil."
Geraldo professou em Iliceto no dia 16 de Julho 1752. Aqui desmentiu muito depressa, por seu serviço excelente como porteiro, alfaiate e sacristão, o prognóstico feito pelo Padre Cáfaro sobre ele. Ganhou uma tal fama de santidade que um grande número das pessoas ia a ele para o ter como guia espiritual na vida. Ele recebeu logo o dom de ler nas consciências.
Entre aqueles que o apreciaram e o veneraram por sua santidade se encontra a Venerável Maria Celeste Crostarosa. Os muitos milagres que são atribuídos a ele, imerecidamente deram- lhe o título de taumaturgo.
Morreu em Materdomini no dia e na hora que ele tinha predito, 16 de outubro de 1755, consumido pelas suas severidades e pela tuberculose.
Foi beatificado por Leão XIII no dia 29 de janeiro de 1893 e canonizado por Pio X no dia 11 de dezembro de 1904.
Muitos católicos o veneram no mundo inteiro como o patrono especial das mães e das famílias.
Pe. Geraldo Rodrigues, C.Ss.R.
Fonte: www.ceresp.com.br