Gráfica e Editora Moura Ramos: livros, revistas, embalagens, sacolas, agendas e impressos em geral.: A Teoria Da "Janela Quebrada" Google+

terça-feira, 29 de maio de 2018

A Teoria Da "Janela Quebrada"


> Roubo
> Patrulha policial
> Caos

Essa era a realidade da cidade de Nova Iorque no final dos anos 80.

Há quase 40 anos, a cidade hoje icônica vivia uma epidemia criminal.

Quase 10% da população estava envolvida nessas infrações.

O desespero tomava conta das ruas…

E dos próprios policiais que não conseguiam conter o alastramento desse vírus.


Porém, durante a década de 90, a cidade presenciou uma queda brutal nos índices de criminalidade.

De 10% para menos de 4%, ficando abaixo da média dos Estados Unidos no ano 2000.

Agora…

Como Nova Iorque saiu do caos para se tornar recentemente a 4ª cidade mais segura dos Estados Unidos (e a 21ª do mundo)?


Essa é a teoria da janela quebrada que eu iremos explicar para você agora.

A Teoria Da Janela Quebrada


Dois estudiosos chamados James Q. Wilson e George Kelling, ambos criminologistas, chegaram à raiz do problema com uma teoria:

A teoria da janela quebrada

Ao contrário do senso comum, a solução para o crime não era uma questão de “ser mais duro” com a gravidade do delito.
  • Homicídio
  • Assalto à mão armada
  • Sequestro
  • Roubo de propriedade
  • Agressão
Esses tipos de crime mais graves não eram o foco de William Bratton.

Ele foi a pessoa encarregada em reduzir o crime na cidade de Nova Iorque no meio desse caos em 1990.

Bratton era favorável a teoria da janela quebrada dos criminologistas Wilson e Kelling.

Segundo eles, o crime é um resultado inevitável da desordem.

Se uma janela é quebrada e abandonada sem conserto…

As pessoas andando pelo local irão concluir que ninguém se importa.

E que ninguém está no comando.

Logo, mais janelas serão quebradas e a anarquia irá se espalhar pelos prédios da cidade.

Isso transmite um sinal à cidade de que tudo pode acontecer por ali.

Sendo um convite para crimes mais sérios.

Em uma cidade, problemas menores como desordem pública e o calote ao transporte público são o equivalente às janelas quebradas.

Um convite para crimes mais sérios.

Uma pequena ação que, como um vírus, se espalha como uma epidemia.

Após um policiamento mais severo e atento aos problemas menores, Bratton conseguiu cumprir seu objetivo.

A taxa de crime em Nova Iorque caiu drasticamente nos anos 90.

Portanto, o crime, segundo esse estudo explicado no livro The Tipping Point de Malcom Gladwell, é um problema de contexto.

Do local, das atitudes coletivas…

No ato de olhar uma janela quebrada e receber um convite para atitudes criminosas.

Escolha essa que está muito longe de ser uma razão intrínseca, da própria pessoa.

Ou até mesmo um distúrbio singular que nasce ela.

Trata-se do lugar, do contexto e das pessoas ao redor delas.